Doutorado


Título: Efeito da obesidade pré-gestacional no teor de citocinas de compartimentos maternos e fetais e na expressão de transportadores de ácidos graxos da placenta.
Autor: LIVIA BELCASTRO DE ALMEIDA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: ALMEIDA, L.B.
Data da Defesa: 29/08/2017
Resumo: As proteínas placentárias envolvidas com o transporte de ácidos graxos (AG) são responsáveis por grande parte da transferência materno-fetal destes nutrientes, cuja importância é fundamental para o desenvolvimento do feto. Dentre os fatores capazes de interferir na expressão de tais transportadores, incluem-se os marcadores inflamatórios. Uma vez que indivíduos obesos apresentam tendência à inflamação crônica, postula-se que gestantes com essa condição poderiam apresentar alterações na quantidade de transportadores de AG na placenta. Assim, o objetivo da presente pesquisa foi avaliar as concentrações das citocinas IL1β, IL6, IL10 e TNF-α no tecido placentário, plasma do cordão umbilical e plasma materno do primeiro e último trimestres de gestação, em gestantes obesas (GO) e eutróficas (GE), verificar a existência de associações entre os teores destas citocinas e a expressão placentária proteica e de RNAm das proteínas FABP1, FABP3, FAT/CD36, FATP1, FATP2 e FATP4, bem como testar a correlação entre essas expressões com características maternas e dos recém-nascidos. A captação de gestantes voluntárias ocorreu em duas instituições públicas do Rio de Janeiro. No primeiro e terceiro trimestres, foram coletadas amostras de sangue materno e, no parto, sangue do cordão umbilical e tecido placentário. As análises bioquímicas consistiram em ensaios Luminex, qPCR e Western blotting. Os teores de citocinas do plasma materno do primeiro trimestre correlacionaram-se positivamente com a expressão proteica de diversos transportadores de AG. O conteúdo proteico de FABP1 na placenta foi menor em GO do que em GE. As concentrações placentárias de FABP1 e FABP3 correlacionaram-se positivamente com o ganho de peso materno e com a eficiência placentária. A expressão de RNAm de FATP4 no tecido placentário correlacionou-se positivamente com o perímetro cefálico. Estes resultados reforçam a importância do acompanhamento nutricional, anterior à concepção, a fim de adequar o IMC materno e a qualidade das reservas lipídicas, e, durante o período gestacional, para assegurar o ganho de peso ideal.
Palavras-chave: placenta, ácidos graxos, transportadores, citocinas, obesidade, gestação

Ver trabalho


Título: Associação entre os polimorfismos nos genes relacionados à obesidade e às mudanças de peso corporal e consumo alimentar de gestantes
Autor: MAISA CRUZ MARTINS
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: MARTINS, M. C.
Data da Defesa: 14/07/2017
Resumo: Acompanhando o cenário da epidemia global da obesidade, grande parcela das mulheres está iniciando a gestação com peso acima do recomendado, ganhando peso excessivamente ao longo da gestação e retendo percentual elevado do peso acumulado nesse período. Entre os diversos fatores que contribuem para o excesso de massa corporal, as diferenças genéticas desempenham importante papel no processo de expressividade do fenótipo da obesidade, provavelmente por meio de mecanismos de controle da saciedade/apetite e preferências alimentares. Objetivo: Estudar a associação entre os polimorfismos de nucleotídeo único (SNPs) nos genes relacionados à obesidade (FTO - massa de gordura e obesidade associadas, rs9939609; MC4R - melanocortina-4 receptor, rs17782313; LEP – leptina, rs7799039 e LEPR - receptor da leptina, rs1137101) e mudanças de peso corporal e consumo alimentar de gestantes. Método: Coorte prospectiva de gestantes acompanhadas em um Centro Municipal de Saúde, localizado no bairro da Tijuca no município do Rio de Janeiro, nos seguintes períodos: 5-13, 20-26 e 30-36 semanas gestacionais e 30-45 dias pós-parto. Foram realizadas medidas antropométricas (massa corporal e estatura) e dosagens das concentrações plasmáticas de leptina. Foram obtidos dados de consumo alimentar por meio de um questionário de frequência alimentar (QFA), referentes aos períodos pré-gestacional e gestacional. Os SNPs foram analisados por reação em cadeia da polimerase em tempo real (PCR). As associações entre os polimorfismos dos genes e as variáveis dependentes (peso pré-gestacional, ganho de peso gestacional, retenção de peso pós-parto, concentração plasmática de leptina e consumo alimentar) foram investigadas por meio de modelos regressão longitudinal linear de efeitos mistos, regressão linear múltipla e modelos de regressão de Poisson, ajustados por fatores obstétricos, socioeconômicos, demográfico e ingestão energética total. Resultados: O SNP do gene do FTO-rs9939609 (alelo-A) foi significativamente associado ao excesso de peso pré-gestacional e à percentagem mais elevada de energia derivada dos carboidratos no período pré-gestacional. Este SNP também foi associado à percentagem mais elevada de energia total e à percentagem mais elevada de energia dos alimentos ultraprocessados durante a gestação. O SNP do gene MC4R-rs17782313 (alelo-C) foi positivamente associado à percentagem mais elevada de energia derivada de alimentos ultraprocessados ao longo da gestação. Os SNPs nos genes LEP-rs7799039 e LEPR-rs1137101 não foram estatisticamente associados às concentrações plasmáticas de leptina ao longo da gestação e aos componentes do consumo alimentar, contudo, o gene LEP-rs7799039 foi significativamente associado ao maior risco de ganho de peso gestacional excessivo. Conclusão: Os SNPs em genes relacionados à obesidade estão associados as mudanças do peso corporal e do consumo alimentar de gestantes.
Palavras-chave: Gestantes; Polimorfismos de nucleotídeo único; Peso pré-gestacional; Ganho de peso gestacional; Retenção de peso pós-parto; Consumo alimentar; Estudo de coorte.

Ver trabalho


Título: Pressão arterial sistêmica e lipídios séricos durante a gestação: influência de polimorfismos genéticos da leptina e seu receptor e associação com o peso ao nascer.
Autor: DAYANA RODRIGUES FARIAS
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: FARIAS, D.R.
Data da Defesa: 06/07/2017
Resumo: Estudos sugerem que tanto a pressão arterial sistêmica (PA) como os lipídios séricos parecem influenciar o peso ao nascer (PN). Contudo, pouco se sabe sobre como interações entre polimorfismos genéticos e variáveis relacionadas à alimentação e nutrição, como índice de massa corporal (IMC) e consumo alimentar, atuam na regulação da PA e dos lipídios durante a gestação, e de que forma a variação dos lipídios maternos durante a gravidez prediz o PN. Objetivo: Avaliar a associação de polimorfismos genéticos da leptina (G2548A) e do receptor de leptina (Q223R e K109R) com a variação longitudinal da PA durante a gestação e o pós-parto, investigar se o consumo alimentar é mediador na relação entre esses polimorfismos e as concentrações de lipídios séricos, bem como avaliar se a variação das concentrações de lipídios durante a gestação está associada ao PN. Métodos: Trata-se de uma coorte prospectiva realizada em um Centro Municipal de Saúde, localizado na Tijuca, Rio de Janeiro, Brasil, que acompanhou mulheres durante os três trimestres gestacionais e 30 45 dias pós-parto. As concentrações séricas (mg/dL) de colesterol total (CT), lipoproteína de alta densidade (HDL-c) e triglicerídeos (TG) foram dosadas pelo método enzimático colorimétrico. A lipoproteína de baixa densidade (LDL-c, mg/dL) foi calculada. A pressão arterial sistólica (PAS) e diastólica (PAD) foram medidas utilizando esfigmomanômetro automático de braço. Os polimorfismos da leptina (G2548A) e receptor de leptina (Q223R e K109R) foram genotipados por meio do método da reação em cadeia da polimerase (PCR – do inglês: polymerase chain reaction) em tempo real. O PN foi obtido a partir da caderneta de saúde da criança e o escore-z do PN foi estimado segundo idade gestacional e sexo de curva de referência internacional (Intergrowth-21st). As análises estatísticas incluíram modelos de regressão linear longitudinal e regressão linear múltipla, apresentando coeficientes (β) e intervalo de confiança (IC) de 95%. Resultados: Os modelos ajustados mostraram que (1) Mulheres com pelo menos um alelo G do polimorfismo G2548A apresentaram maiores níveis de PA durante a gestação e o pós-parto do que aquelas com genótipo AA (βPAS=4,5; IC95%=1,0; 8,0; βPAD=2,9; IC95%=0,1; 5,8). Observou-se interação significativa entre o polimorfismo da leptina (G2548A) e o IMC gestacional, no qual mulheres com genótipo AA apresentaram maior efeito do IMC na PA, comparadas aquelas com pelo menos um alelo G. Não foram observadas associações significativas entre os polimorfismos Q223R e K109R e a PA nos modelos ajustados (2) O genótipo AA se associou a maiores concentração de LDL-c (β=16,0; IC95%=-0,2; 32,2) no segundo e terceiro trimestres de gestação, maior taxa de variação/semana gestacional de TG (β=4,5 vs. β=8,4) e CT (β=6,2 vs. β=7,8) e maiores médias de consumo de calorias e de lipídios durante a gestação, comparado aos genótipos AG/GG. Não foram observadas associações significativas entre os polimorfismos Q223R e K109R e os lipídios nos modelos ajustados. (3) A variação das concentrações maternas de LDL-c (β=0,36; IC95%=0,16;0,56) durante a gestação associou-se positivamente ao escore-z de PN enquanto a variação do HDL-c (β=-2,0; IC95%=-3,1;-0,8) associou-se negativamente. Conclusão: O polimorfismo genético da leptina (G2548A) associou-se a maiores níveis de PA e apresentou interação significativa com o IMC materno. Mulheres com o genótipo AA do polimorfismo G2548A apresentaram maior variação/semana gestacional de TG e CT e maiores concentrações de LDL-c no segundo e terceiro trimestres e maiores médias de consumo calórico total e dos lipídios, mas a relação entre o polimorfismo e os lipídios não foi explicada pelo consumo alimentar. A variação das concentrações de LDL-c e HDL-c associaram-se significativamente ao PN. Não foram observadas associações significativas entre os polimorfismos do receptor de leptina Q223R e K109R com a PA ou os lipídios durante a gestação nos modelos ajustados.
Palavras-chave: Estudo prospectivo;Perfil lipídico;Leptina;Pressão arterial sistêmica;Gestação;Peso ao nascer;Polimorfismos genéticos.

Ver trabalho


Título: Síndrome Metabólica e seus Fatores de Risco em Escolares de 6 a 10 anos de Idade Macaé-RJ
Autor: FABIANA DA COSTA TEIXEIRA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: TEIXEIRA, F. C.
Data da Defesa: 19/05/2017
Resumo: A Síndrome metabólica (SM) e os fatores de risco (FR) que a compõem podem se iniciar na faixa etária pediátrica e correlacionam-se com alterações metabólicas, funcionais e estruturais na infância e, consequentemente, com as doenças crônicas não transmissíveis na vida adulta, dentre elas as doenças cardiovasculares e diabetes melittus tipo 2. Apesar de estudos com objetivo de avaliar SM e seus FR na faixa etária pediátrica serem crescentes, em crianças são pouco frequentes, especialmente em países em desenvolvimento. Objetivo: Identificar a prevalência de FR que compõem o diagnóstico da SM e verificar sua associação com estado nutricional em escolares de 6 a 10 anos de idade. Métodos: Estudo transversal realizado em 505 escolares com idade entre 6 e 9 anos, 11 meses e 29 dias, de ambos os sexos, em nove escolas no município de Macaé, RJ. A investigação foi realizada de março de 2013 a novembro de 2014 por equipe do laboratório de Epidemiologia Nutricional da Faculdade de Nutrição, Universidade Federal do Rio de Janeiro– Macaé. Os dados coletados foram: peso corporal (Kg), estatura (m) e perímetro da cintura (cm), pressão arterial (mmHg), triglicerídeos, HDL-colesterol (mg/dl) e glicemia de jejum (mg/dl). A SM foi definida de acordo com o Third Report of the National Cholesterol Education Program, com os pontos de corte adaptados para população infantil. Resultados: A amostra foi composta por 221 meninos (43,8%) e 284 meninas (56,2%). Segundo o estado nutricional, 14 (2,8%), 312 (61,8%), 85 (16,8%) e 94 (18,6%) escolares apresentavam magreza, eutrofia, sobrepeso e obesidade, respectivamente. Ao menos um FR esteve presente em 61% (n=308) da amostra. A hipertrigliceridemia foi o FR mais prevalente, observado em 29,3% (n= 148) da amostra. A concentração baixa de HDL-c, mais frequente no sexo masculino em relação ao feminino, foi o único FR que apresentou diferença significativa entre os sexos (p=0,03) e que não esteve associado ao estado nutricional (p=0,43). Nos demais FR houve maior prevalência nos escolares com excesso de peso em relação aos eutróficos. A prevalência de um, dois e três FR (SM) foi de 34,7% (n=175), 21,0% (n=106) e 5,3% (n=27), respectivamente. Dois FR foram mais presentes em escolares com sobrepeso (28,2% IC95% 19,0;39,0) e obesidade (41,5% IC95% 31,4; 52,1) em relação aos eutróficos (13,5% IC 95% 9,9;17,8). Três ou mais FR foram mais frequentes entre obesos (25,5% IC95% 17; 35,5) em relação aos com sobrepeso (2,4% IC95% 0,2; 8,2) e aos eutróficos (0,3% IC 95% 0;1,7). Conclusão: Este estudo demonstrou elevada prevalência de FR que contribuem para SM, além de sua associação com a magnitude do excesso de peso dos escolares. Sendo assim, é fundamental a identificação de crianças com FR cardiometabólicos independente da SM. Os resultados reforçam a importância da prevenção e do tratamento do excesso de peso a fim de minimizar o risco de SM e doenças associadas em idade adulta.
Palavras-chave: crianças, risco cardiovascular, síndrome metabólica, obesidade abdominal, dislipidemia, hipertensão arterial sistêmica

Ver trabalho


Título: Concentrações séricas de retinol, beta-caroteno e zinco em uma coorte de mulheres com câncer de mama segundo estádio e toxicidade do tratamento.
Autor: CINTIA LETICIA DA SILVA ROSA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: ROSA, C. L. S.
Data da Defesa: 29/03/2017
Resumo: Os procedimentos utilizados para tratamento do câncer de mama são capazes de elevar a produção de radicais livres, aumento do estresse oxidativo e depleção de antioxidantes. Objetivo: Analisar as concentrações séricas e a relação entre retinol, β-caroteno e zinco em mulheres com câncer de mama, segundo o estádio da doença e da toxicidade aguda e tardia do tratamento radioterápico, considerando diferentes modalidades de tratamentos prévios a radioterapia. Métodos: Estudo longitudinal em uma coorte de mulheres com câncer de mama, avaliadas nos períodos pré-tratamento (T0), 7 (T1) e 120 (T2) dias após término do tratamento radioterápico. As pacientes foram divididas em 3 grupos: G1 submetidas a cirurgia conservadora, G2 submetidas a quimioterapia, e G3 submetidas a cirurgia conservadora e quimioterapia. As concentrações séricas de retinol e β-caroteno foram quantificadas por cromatografia liquida de alta eficiência com detector ultravioleta, e o zinco por espectrofotometria de absorção atômica. O estadiamento do câncer de mama foi baseado na classificação dos Tumores Malignos TNM. O tratamento radioterápico foi realizado através de teleterapia utilizando acelerador linear com energia de 6Mv com dose total variando de 50-50,4 Grays (Gy). A toxicidade aguda foi avaliada de acordo com a escala para toxicidade aguda da Radiation Therapy Oncology Group (RTOG) e para toxicidade tardia RTOG/EORTC (European Organization for Research and Treatment of Cancer). Resultados: Foram avaliadas 230 pacientes, com média de idade de 63,6 anos (+ 9,3). Na amostra predominou o estádio II do câncer de mama. Observou-se que as concentrações séricas dos micronutrientes avaliados reduziram à medida que aumentou o nível do estadiamento da doença. Em todos os estádios e em todos os grupos avaliados os maiores percentuais de deficiência ocorreram nas concentrações séricas de zinco e retinol. A cirurgia de forma isolada exerceu maior impacto negativo sobre as concentrações séricas de retinol. A cirurgia combinada com quimioterapia exerceu maior efeito negativo sobre as concentrações séricas de β-caroteno e zinco. Considerando os grupos estudados no T0, o maior percentual de deficiência de retinol foi no G3 com 21,3%, beta-caroteno no G1 38,5% e zinco também no G1 correspondendo a 30,8%. Observou-se redução estatisticamente significativa na média de todos os micronutrientes estudados, quando T0 foi comparado com T1. Após 120 dias todos os nutrientes avaliados aumentaram de forma significativa quando se comparou T1 com T2. Foi observado toxicidade aguda em 67,2% dos casos e a toxicidade tardia 100% da amostra, ambos - pertencentes ao grupo I. Considerando a toxicidade aguda, houve maiores concentrações séricas de retinol, beta-caroteno e zinco no grupo I quando comparada ao grupo II. Com relação à toxicidade tardia, houve diferença significativa na maioria dos grupos de tratamento prévios à radioterapia, com exceção ao zinco. Conclusão: Dentre os tratamentos prévios à radioterapia, a cirurgia combinada ou não com a quimioterapia exerceu maior impacto negativo sobre todos os micronutrientes estudados. Houve redução significativa de todos dos micronutrientes no T1, independentemente do tipo de tratamento prévio. Na toxicidade aguda quanto na tardia houve redução dos antioxidantes nos grupos com grau mais avançado de classificação, demonstrando a necessidade de acompanhamento e manutenção do estado nutricional destes antioxidantes ao longo do tratamento oncológico.
Palavras-chave: Câncer de mama, cirurgia, estadiamento, quimioterapia, radioterapia toxicidade, vitamina A, zinco

Ver trabalho


Título: Microdomínios de membrana e perfil lipídico de células de câncer de mama humano MCF-7 e MDA-MB-231 sob a ação do resveratrol
Autor: LUCIANA DOS SANTOS GOMES
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: GOMES, L. S.
Data da Defesa: 10/03/2017
Resumo: O câncer é a segunda maior causa de morte no mundo. Para o biênio 2016-2017, a estimativa para o Brasil indica a ocorrência de, aproximadamente, 600 mil novos casos, e o câncer de mama feminino representa 28,1%. O resveratrol (Resv) é um fitoquímico que pode atuar nos três estágios da carcinogênese apresentando alvos moleculares diversos. Frequentemente seu efeito é relacionado a sua captação por microdomínios de membrana. Essas regiões são compostas, por colesterol, esfingolipídeos e proteínas, como as flotilinas (flot), que são associadas ao mau prognóstico para o câncer, quando estão superexpressas. No presente estudo, foi investigado o efeito do Resv sobre os microdomínios de membrana e o perfil lipídico das linhagens de câncer de mama humano MCF-7 e MDA-MB-231. Verificou-se a citotoxicidade de Resv por redução de MTT (methylthiazolyldiphenyl-tetrazolium bromide), após 24 h de tratamento. O efeito do Resv sobre a flot-1 foi analisado por dot-blotting após tratamento por 24 h com Resv. A expressão de flot-1 e flot-2 foi verificada por Western Blotting, e a regulação da expressão gênica foi analisada por reação em cadeia da polimerase com transcriptase reversa quantitativa (RT-qPCR). Microscopia de imunofluorescência foi empregada para a pesquisa de flot-2 na célula MDA-MB-231. O estudo do perfil lipídico ocorreu por cromatografia em camada fina de alta afinidade (HPTLC) e cromatografia em camada fina (TLC). Os ácidos graxos (FA) foram identificados por cromatografia gasosa com espectometria de massa (GC/MS). A biossíntese de fosfolipídeos (PL) foi analisada utilizando-se o fosfato inorgânico radioativo e TLC. O metabolismo de lipídeos foi pesquisado por Western Blotting, verificando-se as enzimas acil-CoA:diacilglicerol aciltransferase 2, ácido graxo sintase, acetil CoA carboxilase fosforilada (ρACCβ), proteína quinase ativada por adenosina monofosfato alfa constitutiva (AMPKα) e fosforilada (ρAMPKα). Os resultados demonstram que para a MCF-7 houve efeito citotóxico do Resv a partir de 50 μM e para a MDA-MB-231 a partir de 100 μM. As concentrações de 80 e 200 μM foram utilizadas nos ensaios posteriores, para MCF-7 e MDA-MB-231, respectivamente. Os dados obtidos por Western Blotting não indicaram diferenças expressivas para flot-1 e flot-2, no entanto, na microscopia de imunofluorescência nota-se o aumento de 13,4 vezes da área correspondente a flot-2. O RT-qPCR indicou aumento acentuado da expressão gênica de flot-1 e flot-2 na MDA-MB-231. Houve redução (p < 0,05) de éster de colesterol na MCF-7 e aumento de FA (2,9 vezes). Na MDA-MB-231 FA aumentou 5,3 vezes. Os FA saturados predominantes em ambas as células foram o ácido palmítico e o ácido esteárico e os insaturados foram o ácido oleico e o ácido elaídico. Na MCF-7 houve aumento em 65% de fosfatidiletanolamina. Esfingomielina e lisofosfatidilcolina (LPC) demonstraram o maior percentual de redução, 57% e 40%, respectivamente. A MDA-MB-231 exibiu redução de fosfatidilcolina (63%) e LPC (52%). O Resv reduziu ρACCβ (3,3 vezes; p < 0,05) e AMPKα/ρAMPKα (1,5 vezes; p < 0,04) na MCF-7 e, também na MDA-MB-231 em 111,8 (p < 0,03) e 1,2 (p < 0,005) vezes, para ρACCβ e AMPKα/ρAMPKα, respectivamente. O conjunto de resultados obtido demonstra que o Resv aumenta a expressão de flot e de FA nas células de câncer de mama MCF-7 e MDA-MB-231, e o efeito citotóxico do fitoquímico se mantém. Isso indica que, embora o composto esteja favorecendo eventos relacionados ao avanço tumoral, outros alvos moleculares do Resv podem estar ativos, contribuindo para sua ação anticâncer. Com isso, são necessários novos estudos que analisem por quais mecanismos o Resv atua nessas condições. Palavras-chave: perfil lipídico;célular de cancer de mama;resveratrol

Ver trabalho


Título: Avaliação hipotalâmica de fatores lipogênicos e inflamatórios em ratos Wistar após a ingestão prolongada de solução de frutose
Autor: LEANDRO OLIVEIRA BATISTA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: BATISTA, L.O.
Data da Defesa: 11/11/2016
Resumo: Evidências mostram a relação direta do consumo elevado de frutose com alterações periféricas compatíveis com a síndrome metabólica e aumento de vias lipogênicas e pró-inflamatórias, entretanto são poucas as evidências desses efeitos em tecido hipotalâmico. Assim, foi avaliado se o consumo de frutose por 8 semanas afeta a expressão de enzimas fatores de transcrição das vias lipogênica e inflamatória no hipotálamo de ratos Wistar. Aos 30 dias os animais foram divididos em grupos: Controle (C) e Frutose (F) e mantidos com acesso livre à ração e água filtrada (C) ou solução aquosa de frutose à 20% (F). Foram avaliados a ingestão hídrica, de ração e a massa corporal. Aos 90 dias foi analisada a glicemia e triacilglicerolemia e o hipotálamo foi coletado para quantificação, por Western Blotting, das proteínas acetil-CoA carboxilase (ACC), ácido graxo sintase (AGS) e fator nuclear kappa B (NFkB) e, por qPCR a expressão dos gene-alvo: proteína ligadora do elemento regulado por esteróis -1c; -2 (SREBP-1c, SREBP-2), ACC, AGS e NFkB. Os resultados mostraram no grupo F menor consumo de ração, aumento na glicemia (146,20+6,09 vs. 102,32+4,58; n=9) e triacilglicerolemia (F:191,65+13,51 vs. C:131,69+6,49; n=9) e não houve diferença no consumo hídrico e energético. Identificamos maior teor de ACC (F: 133,93+5,58 vs. C: 100+0,0; n=9-10), NFkB (F: 125,5+8,85 vs. C: 100+0,0; n=14) e SREBP-1c (F: 4,08+0,44 vs. C: 1,13+0,15; n=5-6) no grupo F, enquanto AGS foi menor (F: 85,90+4,81 vs. C: 100+0,0; n=4-6). Os genes para ACC, SREBP-2 e NFkB não foram diferentes entre os grupos. Concluímos que a frutose foi capaz de estimular passos iniciais da via lipogênica e inflamatória no hipotálamo de forma semelhante aos tecidos periféricos, além disso, tais alterações surgem antes de efetivas modificações na ingestão alimentar, sugerindo ação na regulação da ingestão alimentar.
Palavras-chave: levulose;enzimas lipogênicas;inflamação;hipotálamo;SREBP;obesidade

Ver trabalho


Título: O lúdico na educação alimentar e nutricional de idosas institucionalizadas
Autor: ANDREA ABDALA FRANK VALENTIM
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: ANDRÉA ABDALA FRANK VALENTIM
Data da Defesa: 21/07/2016
Resumo: A presente tese, cujos resultados são apresentados na forma de dois artigos científicos, visa avaliar o efeito da educação alimentar e nutricional, com ênfase a atividades lúdicas, na promoção de conhecimentos sobre alimentação saudável em idosas residentes em uma instituição de longa permanência gerenciada por recursos federais e filantrópicos, na cidade do Rio de Janeiro – Brasil, e ainda descrever sobre a análise de cardápios elaborados pelo serviço de nutrição e da empresa de alimentação prestadora deste serviço. Trata-se de um estudo de abordagem longitudinal, descritivo, quantitativo e de intervenção, desenvolvido com 15 idosas elegíveis, entre 60 a 95 anos de idade, residentes do Pavilhão São José, Abrigo Cristo Redentor - RJ. A investigação foi realizada no período de 2013 a 2014, incluindo um projeto piloto anterior a pesquisa propriamente dita, desenvolvida nas seguintes fases: A eleição e o aceite da direção da instituição onde a pesquisa aconteceria e a amostra mais representativa, de acordo com as necessidades de elaboração, planejamento e execução das etapas conclusivas, inerentes ao estudo, com vista aos resultados e conclusões finais. A partir deste momento foram realizadas as avaliações do estado nutricional e da função cognitiva das idosas; a aplicação e a avaliação dos jogos lúdicos e educativos antes e após cada intervenção, técnicas educativas, com abordagem de conceitos básicos sobre alimentos e alimentação saudável e promoção de saúde. Palestra, oficina culinária e a gincana foram os instrumentos para a transmissão dos conhecimentos básicos sobre alimentos e alimentação saudável, entre o primeiro e o segundo momento de avaliação pelos jogos lúdicos didáticos. Em paralelo ocorreu a avaliação quantitativamente e qualitativamente dos macronutrientes e micronutrientes das refeições oferecidas às idosas institucionalizadas. As práticas educativas instrumentalizadas com elementos lúdicos foram capazes de proporcionar conhecimentos sobre alimentação saudável, mostrando-se como importante aliada na promoção da saúde e controle das enfermidades instaladas, ainda que num contexto da institucionalização onde se mostram mais fragilizadas física e emocionalmente. Em outra percepção foi observado inadequações da oferta de grupo de alimentos e nutrientes, com refeições com alto teor lipídico e protéico e baixa oferta de frutas e hortaliças; não condizente com o que se pretende no alcance de um envelhecimento saudável, independe da pessoa idosa estar ou não institucionalizada.
Palavras-chave: Idoso;Idoso Institucionalizado;Alimentação Saudável;Saúde do Idoso;Educação Alimentar e Nutricional;Jogos lúdicos;Envelhecimento

Ver trabalho


Título: Mudanças no perfil antropométrico e na composição corporal de uma coorte de adolescentes do ensino fundamental – Estudo Longitudinal de Avaliação Nutricional de Adolescentes (ELANA)
Autor: MILENA MIRANDA DE MORAES FERREIRA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: FERREIRA, M. M. M.
Data da Defesa: 08/07/2016
Resumo: Para avaliar a influência das variáveis socioeconômicas e de estilo de vida nas trajetórias de indicadores de adiposidade na primeira fase da adolescência, foram usados dados de 809 estudantes (idade média 11,8 anos) do Estudo Longitudinal de Avaliação Nutricional de Adolescentes (ELANA), que cursavam o 6º ano do ensino fundamental em 4 escolas privadas e 2 escolas públicas da região metropolitana do Rio de Janeiro em 2010, avaliados anualmente até 2013. O primeiro manuscrito da tese descreve a trajetória do índice de massa corporal (IMC) e do percentual de gordura corporal (%GC) ao longo de quatro anos, segundo variáveis sociodemográficas, e as associações entre estas variáveis e o ganho excessivo de IMC e %GC ao final do seguimento. Meninas de escolas particulares (p=0,003) e meninos brancos (p=0,041) apresentaram maior aumento no IMC do que meninas de escolas públicas e meninos não-brancos, respectivamente. Meninos brancos também tiveram maior chance de apresentarem ganho excessivo no IMC (OR=3,28; IC 95% 1,13–9,52) e %GC (OR=3,32; IC 95% 1,38–8,01) ao final do seguimento do que os não-brancos. Por outro lado, meninas brancas tiveram menor chance (OR=0,42; IC 95% 0,18–0,96) de experimentar ganho excessivo no %GC do que as não-brancas. O segundo manuscrito teve como objetivo identificar, por análise de clusters, padrões de comportamentos relacionados ao balanço energético e sua relação com o excesso de peso e de gordura corporal total ou abdominal, transversal e longitudinalmente, bem como no ganho excessivo de peso, gordura corporal total e abdominal durante o período de seguimento. Foram identificados os grupos: (1)“neutro”, em que nenhum dos comportamentos avaliados se destacava; (2) “sedentário”, caracterizado por elevado tempo dedicado ao hábito de assistir à televisão; (3) “Misto”, com elevado consumo de frutas, legumes, verduras e bebidas açucaradas; e (4) “ativo”, identificado por maior tempo de prática de atividades físicas moderadas e vigorosas. A prevalência de excesso de peso foi mais elevada em meninos do grupo “sedentário” do que nos demais e, embora as trajetórias dos indicadores de adiposidade não tenha diferido entre agrupamentos, meninos sedentários tiveram maior chance de apresentar %GC elevado ao final do seguimento (OR=3,18; IC95% 1,43–7,10) e ganho excessivo de IMC ao longo de quatro anos (OR=2,92; IC95% 1,04–8,20). Por sua vez, meninas no grupo “ativo” tiveram maior chance de apresentarem perímetro da cintura elevado ao fim do seguimento (OR=2,87; IC95% 1,01–8,16). Na população estudada, a prática de comportamentos sedentários e melhores condições socioeconômicas se associam ao ganho de peso e de gordura corporal, principalmente no sexo masculino, enquanto a prática de atividade física apresentou relação inversa com adiposidade entre meninos. Os resultados contribuem para compreender a etiologia do excesso de peso em adolescentesno contexto da região metropolitana do Rio de Janeiro, especialmente para o sexo masculino.
Palavras-chave: Adolescentes;Índice de Massa corporal;Circunferência da Cintura;Adiposidade;Fatores socioeconômicos;Comportamentos saudáveis;Estilo de vida;Consumo alimentar;Estudos longitudinais

Ver trabalho


Título: Avaliação do estado nutricional de vitamina D e sua relação com o perfil ósseo e metabólico em adolescentes obesos graves antes e um ano após o Bypass Gástrico em Y de Roux
Autor: JACQUELINE DE SOUZA SILVA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: SILVA, J.S.
Data da Defesa: 14/06/2016
Resumo: O objetivo deste estudo foi avaliar o estado nutricional de vitamina D e antropométrico em adolescentes obesos graves antes e após o Bypass Gástrico em Y de Roux (BGYR) e sua relação com alterações ósseas e metabólicas. Estudo prospectivo longitudinal com adolescentes obesos graves de ambos os sexos, com idade entre 15 e 20 anos e índice de massa corporal (IMC)/idade no percentil superior a 99,9. Os adolescentes foram avaliados antes e após 6 e 12 meses do BGYR no Centro Multidisciplinar de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, no município do Rio de Janeiro e no pós-cirúrgico foram suplementados com 1.800UI de vitamina D e 250mg de carbonato de cálcio. Na avaliação laboratorial foram obtidos dados de 25(OH)D, cálcio, fósforo, magnésio, fosfatase alcalina, hormônio da paratireoide (PTH), colesterol total (CT), high density lipoprotein (HDL-c), low density lipoprotein (LDL-c), triglicerídeos, leptina sérica, glicemia, Homeostatic Model Assessment (HOMA-IR) e proteína C reativa (PCR). Foram avaliadas a idade óssea por radiografia, a DMO por DXA (Dual-energy X-ray absorptiometry) e a esteatose hepática (EH) por ultrassonografia abdominal total. Foram obtidos dados de perímetro da cintura (PC); peso; estatura e calculado o IMC. Foi avaliada também a relação entre o sucesso da cirurgia e o estado nutricional de vitamina D. O nível de significância adotado pelo estudo foi de 5%. A amostra foi constituída por 64 adolescentes sendo 65,6% do sexo feminino, com mediana de idade de 17,5 anos. A mediana da idade óssea no pré-operatório foi de 16,4 anos para as meninas e de 17,2 anos para os meninos. Observou-se redução ao longo dos tempos avaliados, nas variáveis peso, IMC, PC, esteatose hepática, síndrome metabólica, hipertensão arterial sistêmica e das dislipidemias (p<0,0001). A prevalência da deficiência de vitamina D (DVD) foi elevada no pré-operatório (43,7%), aos 6 meses reduziu para 23,4%, porém aos 12 meses houve aumento para 70,0% (p=0,001). A deficiência de cálcio no pré-operatório foi 65,6%, com melhora aos 6 meses, porém com piora significativa aos 12 meses (p<0,0001). As concentrações séricas do PTH tiveram aumento em todo o tempo de seguimento, alcançando inadequação de 70,0% ao final de 1 ano (p<0,001). Observou-se queda da DMO do colo do fêmur de 2,5% (p < 0,0001) e da coluna lombar 3,5% (p < 0,0001) de 6 meses para 12 meses. A redução da DMO da coluna lombar foi maior naqueles com PTH inadequado (p = 0,015). A melhora da EH foi relacionada ao aumento sérico da vitamina D. Observou-se correlação negativa entre as concentrações séricas de vitamina D e PTH (rs = -0,327; p = 0,008); LDL-c (rs = -0,274; p = 0,028) e PCR (rs = -0,202; p = 0,021). O sucesso cirúrgico foi alcançado por 82,8% dos adolescentes no período avaliado. Aqueles que não alcançaram o sucesso cirúrgico apresentaram, ao final de 12 meses, concentrações séricas de vitamina D superiores se comparado aos que perderam peso mais rapidamente. Os valores séricos do PTH foram mais elevados aos 12 meses, principalmente naqueles que obtiveram sucesso cirúrgico. A DVD foi elevada no pré-operatório do BGYR com piora após 12 meses de pós-operatório e, com redução significativa da DMO ao final deste período, apesar da vigência da suplementação oral diária de vitamina D e cálcio. O sucesso da cirurgia apresentou impacto negativo no estado nutricional de vitamina D e no perfil ósseo, apesar da suplementação vitamínica e aumento da exposição solar; e positivo na redução de peso, IMC, PC, esteatose hepática, hipertensão arterial sistêmica, síndrome metabólica e dislipidemias. Recomenda-se a investigação da DVD em adolescentes obesos graves antes e após o BGYR e acompanhamento por tempo superior a 1 ano após o procedimento cirúrgico.
Palavras-chave: Adolescentes obesos graves;Bypass Gástrico em Y de Roux;deficiência de vitamina D;obesidade;cirurgia bariátrica;densidade mineral óssea;esteatose hepática.

Ver trabalho


Título: ESTUDO DE FÓRMULAS ALIMENTARES ARTESANAIS COM BAIXO TEOR DE FENILALANINA
Autor: ROSANA POSSE SUEIRO LOPEZ
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: LOPEZ, R.P.S.
Data da Defesa: 26/04/2016
Resumo: A fenilcetonúria (PKU) é o erro do metabolismo dos aminoácidos mais comum e mais documentado na literatura médica. Objetivou-se desenvolver fórmulas alimentares artesanais com baixa quantidade de fenilalanina (Phe) suplementadas com vitamina B12 e Tirosina. O enfoque foi dado a Técnica Dietética, enfatizando, portanto, o aspecto científico da culinária. A seleção dos alimentos foi subsidiada pela consulta as tabelas de composição química dos alimentos. As combinações de alimentos constituíram-se em cinco fórmulas artesanais. Empregou técnicas de análises químicas com a finalidade de inferir o conteúdo total de Phe e os valores energéticos totais das formulações. A aceitabilidade das fórmulas foi averiguada por provadores não treinados, portadores de PKU, atendidos no centro de referência à portadores de PKU no IEDE/RJ. Utilizou-se teste afetivo tipo escala hedônica facial híbrida. Participaram da análise quinze portadores (n=15), nas faixas etárias de 9 anos a 12 anos, sendo 33% ♂ e 66,7% ♀. A maioria dos voluntários é de baixa renda econômica e reside fora da cidade do Rio de Janeiro, 68% destes, obtiveram diagnósticos e intervenção dietética com menos de um mês de vida. Sob a assertiva de que práticas educativas em nutrição devem ter transmissão de informações objetivas à vida cotidiana, a aplicabilidade das fórmulas foi abordada por promoção de oficina culinária com participação de 18 interessados. A porção proposta foi 250 mL, com sugestão de consumo nas pequenas refeições (VET de até 5%) de acordo recomendação da FAO/OMS para sexo e faixa etária. A análise por cromatografia liquida revelou que as fórmulas apresentam valores de Phe dentro dos níveis permitidos para consumo dos portadores. O teste sensorial apontou boa aceitabilidade das fórmulas (p=0,05). Confrontando-se os resultados das análises dos teores de Phe encontrados com os das tabelas de composição química consultadas, verificou-se que as tabelas subestimam os valores totais de Phe das fórmulas. Esse dado sublinha a possibilidade de maior consumo de Phe na dieta do que o estimado, visto que as tabelas são a principal ferramenta para controle e ajuste da dieta do portador. As diferenças podem estar relacionadas a diversos fatores, entretanto, a relevância dos dados encontrados aponta para necessidade de uma investigação mais aprofundada para as referidas causas de discrepância. O alto grau de satisfação dos participantes da oficina culinária revelou que tal prática mostra-se valioso instrumento de incentivo e promoção a adesão da dietoterapia para esse grupo de pacientes.
Palavras-chave: Fenilcetonúria;Fenilalanina;Oficina culinária;Análise sensorial

Ver trabalho


Título: Prematuridade e baixo peso ao nascimento e sua associação com fatores de risco cardiovascular em adolescentes
Autor: ALINE BULL FERREIRA CAMPOS
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: CAMPOS, A.B.F.
Data da Defesa: 29/03/2016
Resumo: As doenças cardiovasculares (DCV) são responsáveis pelo maior número de óbitos na população mundial e, dentre os seus fatores de risco as condições ao nascer têm sido foco de estudo devido à correlação positiva com o seu desenvolvimento na vida adulta. Objetivo: Avaliar a associação entre o peso e idade gestacional ao nascer com variáveis antropométricas, clínicas, bioquímicas e comportamentais de risco cardiovascular em adolescentes. Métodos: Foram avaliados 153 adolescentes entre 10 e 19 anos, atendidos no Centro de Referência do Adolescente, Macaé, RJ. O grau de maturação sexual foi avaliado pelos estágios puberais de Tanner. Para a avaliação antropométrica, mediu-se peso, estatura, perímetro da cintura (PC), perímetro do braço (PB), perímetro muscular do braço, área muscular do braço, área de gordura do braço, dobras cutâneas tricipital, subescapular e bicipital, a razão da medida da cintura pela estatura (RCE), e percentual de gordura corporal (% GC). Foram considerados com sobrepeso aqueles com Índice de Massa Corporal (IMC) entre os percentis 85 e 97, e obesos aqueles no percentil superior a 97. Foi considerado excesso de gordura corporal valores ≥ 20% para meninos e ≥ 25% para meninas. Foram realizadas dosagens bioquímicas de colesterol total e suas frações (LDL-c e HDL-c), triglicerídeos, glicose e leptina sérica e foi feita a medida da pressão arterial (PA). As variáveis ao nascer foram coletadas através da Caderneta de Saúde da Criança. Foram coletadas informações sobre prática de atividade física, consumo de bebida alcoólica, hábito de fumar, história familiar de doença cardiovascular e de obesidade. Foram utilizados o Teste t –Student, Quiquadrado (χ²) e modelos de regressão linear múltipla e de regressão logística multivariada. Resultados: A prevalência de BPN foi de 21,6% e de prematuridade, 17%. O excesso de peso foi significativamente maior entre os adolescentes com BPN (60,6%). A prevalência de prematuros com IMC inadequado foi de 57,6% quando comparado a dos que nasceram a termo (37,7%; p = 0,06). As meninas com BPN apresentaram médias maiores do somatório das dobras e %GC (p < 0,05), enquanto que as que nasceram prematuras apresentaram médias maiores do IMC, das dobras cutâneas e circunferências realizadas, com excessão do PC, além do %GC (p<0,05). O BPN foi considerado variável preditora independente do IMC inadequado quanto do percentual de gordura corporal elevado em meninas. As adolescentes que nasceram prematuras apresentaram risco 2 vezes maior de inadequação da dobra cutânea subescapular. Os adolescentes com obesidade grave que nasceram prematuros e baixo peso, apresentaram médias significativamente maiores da RCE e PC quando comparados com os adolescentes nascidos com peso e idade gestacional adequados (p<0,01). Nas meninas e meninos que nasceram prematuros foram observadas médias significativamente maiores do IMC e leptina (p < 0,05) e de LDL-c e PA diastólica, respectivamente. A concentração média de leptina também foi maior nos adolescentes com condições ao nascer desfavoráveis que apresentaram maior percentual de gordura corporal e nos obesos graves. A leptina apresentou correlação com o IMC (r = 0,52; p = 0,01), seguido do PC (r = 0,49; p = 0,00), nos adolescentes com baixo peso (p = 0,01). A história familiar de doença cardiovacular foi observada em 77% dos adolescentes e mais prevalente naqueles com excesso de peso (p = 0,04). O consumo de bebida alcoólica, hábito de fumar e comportamento sedentário estiveram presente em 24,8%, 13,7% e 52,6% respectivamente, independente das condições ao nascimento. Conclusão: Foi observada associação entre as condições ao nascer com o excesso de peso e composição corporal. A idade gestacional ao nascer se associou com o IMC e concentrações de LDL-c e leptina nos adolescentes. Os achados enfatizam a perspectiva de uma assistência nutricional nas consultas de pré-natal e elaboração de protocolos clínicos nutricionais direcionados a criança e adolescentes nas rotinas hospitalares e escolares objetivando assim, a contribuição na prevenção e diminuição do desenvolvimento de fatores de risco cardiovasculares.
Palavras-chave: peso ao nascer, prematuridade, composição corporal, risco cardiovascular, programação fetal, adolescente

Ver trabalho


Título: Modificações dos indicadores sociais, insegurança alimentar e consumo alimentar de crianças menores de trinta meses residentes em uma região metropolitana do rio de janeiro nos anos 2005 e 2010
Autor: MARINA MARIA LEITE ANTUNES
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: ANTUNES, MML
Data da Defesa: 26/02/2016
Resumo: Este estudo teve como objetivos (1) descrever a variação dos indicadores sociais e sua associação com a insegurança alimentar (IA) entre famílias com crianças em dois inquéritos populacionais realizados no Rio de Janeiro; (2) avaliar as mudanças no padrão de consumo alimentar de crianças menores de trinta meses residentes na região metropolitana do Rio de Janeiro nos anos de 2005 e 2010 e estimar a associação desse consumo com os indicadores sociais em cada ano. Trata-se de dois inquéritos domiciliares realizados no município de Duque de Caxias. As informações socioeconômicas das famílias foram obtidas por questionário. A IA foi estimada pela Escala Brasileira de Insegurança Alimentar. O consumo alimentar por meio de recordatórios de 24 horas e os padrões dietéticos gerados por análise fatorial de componentes principais. As frequências foram comparadas pelo teste Qui-Quadrado e as associações de IA com os indicadores sociais estimadas por regressão logística multinomial (odds ratio – OR) e regressão linear para os padrões dietéticos com as variáveis socioeconômicas. Para significância estatística considerou-se p<0,05. Houve redução nas prevalências de IA, aumento na escolaridade dos chefes de famílias, redução da aglomeração familiar e maior acesso ao filtro para consumo de água. No ano de 2005, a renda familiar esteve inversamente associada a todos os níveis de IA e a escolaridade do chefe da família apresentou um OR de 3,08 (IC 95% 1,09-8,15) para IA leve e 5,24 (IC% 1,2 – 22,89) para IA moderada/grave. No ano de 2010, a presença de filtro para consumo de água, a renda mensal per capita e a classificação socioeconômica da família nas categorias D e E permaneceram significativamente associadas com as formas mais graves de IA. Quanto ao consumo alimentar, observou-se padrões diferentes nos dois inquéritos sendo: (i) em 2005, três padrões alimentares nas crianças menores de 18 meses (“Tradicional”, “Leite e Farinhas Infantis” e “Misto”) e dois padrões alimentares nas crianças de 18 a 30 meses (“Tradicional” e “Misto”) e (ii) no ano de 2010, 3 padrões em ambas as faixas etárias avaliadas “Lanches”, “Misto-monótono”, “Misto” para os menores de 18 meses e “Tradicional misto”, “Monótono” e “Misto” entre as crianças de 18 a 30 meses. Tais padrões apresentaram diferentes associações com as variáveis socioeconômicas estudadas, onde padrões mais saudáveis se associaram a melhores condições sociais, porém algumas mudanças no perfil de consumo da população estudada não apresentaram associação com nenhuma variável socioeconômica. Os resultados apontam um avanço importante nos indicadores sociais da população estudada, porém reforçam como os determinantes avaliados podem impactar a IA e o consumo alimentar na faixa de etária em questão. Contribuindo para a discussão sobre a necessidade de ações que garantam um maior acesso a alimentação adequada, por meio de investimentos sociais e de ações que incentivem as escolhas alimentares mais saudáveis.
Palavras-chave: insegurança alimentar;indicadores sociais;alimentação infantil;padrões alimentares

Ver trabalho


Título: CUIDADO NUTRICIONAL PRÉ-NATAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE A ÁREA DE MANGUINHOS, RIO DE JANEIRO
Autor: BEATRIZ DELLA LIBERA DA SILVA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: SILVA, B.D.L.
Data da Defesa: 23/02/2016
Resumo: Resumo da Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Nutrição, Instituto de Nutrição Josué de Castro, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Doutora em Ciências Nutricionais. A presente tese, cujos resultados são apresentados na forma de quatro artigos científicos, visa avaliar o efeito de uma proposta de cuidado nutricional pré-natal no desfecho perinatal de gestantes atendidas em uma Clínica da Família na área de Manguinhos, Rio de Janeiro, no contexto da Atenção Primária à Saúde (APS). Trata-se de um estudo de abordagem quantitativa e qualitativa que buscou desvelar as dimensões biomédica e sociocultural por meio da complementaridade entre as metodologias. A pesquisa ocorreu no período entre fevereiro/2011 e agosto/2015 e foi desenvolvida em três etapas distintas: investigação do perfil de saúde e nutrição das gestantes e seus recém-nascidos no contexto sócio-histórico das usuárias assistidas na região; aplicação da intervenção; avaliação do efeito da proposta de cuidado nutricional pré-natal no desfecho perinatal e dos sentidos e significados atribuídos pelas gestantes à intervenção. O protocolo de cuidado nutricional constituiu no acompanhamento de gestantes, por meio de três encontros coletivos ao longo do pré-natal, denominados “rodas de conversa”, quando eram realizadas as avaliações necessárias à abordagem quantitativa da pesquisa (antropométrica, bioquímica, dietética, funcional, sociodemográfica e clínica) bem como desenvolvidas atividades educativas baseadas nos princípios do aconselhamento nutricional e dietético. Os resultados demonstram que, apesar das evidências científicas apontarem a efetividade do pré-natal e do cuidado nutricional sobre a melhoria dos resultados perinatais, ainda são escassos os estudos que tratam sobre o perfil de saúde e nutrição e qualidade da assistência, assim como propostas de cuidado nutricional estruturadas e específicas destinadas a gestantes e puérperas atendidas na abrangência da atenção primária à saúde. As mulheres que receberam o cuidado baseado no aconselhamento nutricional e dietético, estruturado por meio de consultas coletivas e oferecido às gestantes ao longo do pré-natal, apresentaram menos intercorrências gestacionais e inadequação do ganho de peso gestacional total em comparação às que não receberam, reforçando a importância da organização da atenção nutricional dispensado ao grupo maternoinfantil no âmbito da APS. A análise sócio-histórica permitiu a reflexão acerca das ações de cuidado voltadas às potencialidades e necessidades da população. As interpretações das falas das gestantes revelam que o cuidado nutricional estruturado desenvolvido na clínica da família por meio das atividades educativas das rodas de conversa representou uma estratégia importante para a promoção da saúde no período da gestação por meio da possibilidade de acesso à informação e troca de experiências, além de constituir espaços de humanização, cidadania e inclusão social.
Palavras-chave: gravidez;nutrição pré-natal;atenção primária à saúde;estudos de intervenção;educação alimentar e nutricional;pesquisa qualitativa

Ver trabalho

Título: Influência pós-prandial da ingestão de frutose ou glicose na glicemia, glucagon, trigliceridemia, uricemia e malondialdeído pós-prandial de indivíduos com diabetes mellitus tipo 1
Autor: DEBORA LOPES SOUTO
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: SOUTO, D.L.
Data da Defesa: 18/11/2015
Resumo: Avaliar a influência da solução de frutose e de glicose na glicemia, glucagon, trigliceridemia, uricemia e malondialdeído pós-prandial de indivíduos com diabetes mellitus tipo 1 (DM1). MÉTODOS: Trata-se de um ensaio clínico simples cego, randomizado com delineamento 2x2, crossover, com período de washout de 2-7 semanas de intervalo, incluindo dezesseis indivíduos com DM1, sendo sete mulheres e nove homens, com média de idade de 25,1 ± 8,8 anos, tempo médio de diagnóstico do DM1 de 14,8 ± 4,7 anos, índice de massa corporal médio de 24,7 ± 3,6 kg/m2 e média de hemoglobina glicada de 8,1 ± 1,8%, sem complicações do DM ou outras doenças crônicas. Em cada dia de estudo, os voluntários receberam uma solução teste (75g de glicose ou frutose dissolvidas em água) via oral em ordem aleatória e responderam à escala quanto à palatabilidade das mesmas. Amostras de sangue venoso foram colhidas após 8h de jejum noturno e 180 min após a solução para avaliação da glicemia, glucagon, trigliceridemia, ácido úrico, lactato, e malondialdeído. As análises estatísticas foram realizadas no software SPSS versão 17.0, com nível de significância de 5%. RESULTADOS: Apesar da glicose apresentar menor diluição (p<0,01), a palatabilidade das soluções mostrou-se semelhante. A solução de glucose resultou em maior glicemia pós-prandial, comparada com a frutose (12,9 ± 4,1 mmol/L; e 4,4 ± 5,5 mmol/L, respectivamente; p<0,01). As concentrações de ácido úrico elevaram-se após a solução de frutose (0,4 ± 0,8 µmol/L; p<0,01) e reduziram após a solução de glicose (-0,2 ± 0,1 µmol/L; p<0.01) (p<0,01). A solução contendo frutose aumentou o malondialdeído (1,4 ± 1,6 µmol/L; p<0,01) e a solução de glicose não alterou as concentrações deste marcador de estresse oxidativo (-0,2 ± 1,6 µmol/L; p=0,40). Outras variáveis não diferiram entre as soluções. CONCLUSÃO: Ambas as soluções demonstram palatabilidade semelhante. A frutose resultou em menor glicemia pós-prandial comparada à glicose, porém, elevou as concentrações de ácido úrico e malondialdeído. A ingestão destes monossacarídeos por indivíduos com DM1 não alterou a trigliceridemia, o glucagon e o lactato pós-prandiais.
Palavras-chave: diabetes mellitus tipo 1; frutose; glicose; estresse oxidativo; glicemia; triglicerídeos; uricemia.

Título: COMPOSTOS BIOATIVOS DE ESPECIARIAS E SEUS EFEITOS ISOLADOS E COMBINADOS EM CULTURAS DE CÉLULAS DE CÂNCER DE MAMA
Autor: RENATA MADUREIRA POLINATI DA SILVA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: POLINATI, R.M.S.
Data da Defesa: 15/10/2015
Resumo: No Brasil, a estimativa de câncer para o ano de 2015 é de aproximadamente 576 mil novos casos, reforçando a magnitude desta doença. O câncer de mama é o tipo que mais acomete as mulheres em todo o mundo e estimativas indicam que surgirão 57.120 novos casos, sendo 8.380 só para o estado do Rio de Janeiro. O processo da carcinogênese apresenta três etapas, as quais compreendem a iniciação, promoção e progressão tumoral e tem sido demonstrado que compostos bioativos (CBAs) dietéticos podem atuar nas diferentes fases. As especiarias têm sido utilizadas por milhares de anos e possuem compostos bioativos responsáveis por suas propriedades quimiopreventivas e quimioterápicas. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi investigar o efeito da curcumina, da piperina, do [6]-gingerol e do quimioterápico melfalan, isolados e combinados, em culturas de células de câncer de mama MCF-7 e MDAMB-231. Para as análises da viabilidade celular foi realizado o método de redução do MTT e as células foram tratadas com concentrações que variaram de 1 a 300µM dos compostos bioativos isolados e de 0,5 a 150µM do melfalan. Observou-se que, de acordo com os valores de IC50, a linhagem MDA-MB-231 foi a mais resistente para todos os tipos de tratamentos quando comparada a linhagem MCF-7. Após 24 horas de tratamento, os valores de IC50 para a linhagem MDA-MB-231 foram de 24µM, 280µM e 190µM, para curcumina, piperina e melfalan, respectivamente. O [6]-gingerol não demonstrou efeito nesta linhagem celular. Foi realizada uma curva de combinação dos compostos com os valores de IC50 em concentrações que variaram de 0,25 a 1,25 x IC50 com o intuito de potencializar a ação dos compostos na linhagem mais resistente. A combinação dos compostos reduziu a viabilidade celular de maneira dose-dependente e esta redução foi mais expressiva quando foram combinados os valores de 1 x IC50. A análise do ciclo celular demonstrou um bloqueio apenas na fase G2/M, principalmente para a curcumina isolada, mas também em sua associação com a piperina, quando comparadas ao controle. Ao tratar as células MDA-MB-231 por 24 horas, a associação de melfalan com curcumina gerou um maior número de células em apoptose e o tratamento da curcumina com a piperina levou as células à necrose. Após 48 horas de tratamento, a morte celular por necrose foi a mais expressiva em todas as associações. Não foram observadas diferenças entre os tratamentos com os CBAs isolados dos combinados, demonstrando uma semelhança na ação dos mesmos. Porém, para a determinação do efeito sinérgico, aditivo ou antagônico, a avaliação do Índice de Combinação (IC) demonstrou que todas as associações apresentaram efeito antagônico, com menor intensidade para o tratamento da piperina com melfalan (IC=1,21). Ao analisar o efeito citotóxico destas combinações em células mononucleadas de sangue periférico (PBMC), observou-se que a combinação de piperina com melfanan não apresentou efeito tóxico considerável para esta linhagem, em nenhuma das concentrações combinadas utilizadas. Considerando que não há diferenças entre a ação dos compostos isolados com os combinados e que a associação de piperina com melfalan apresentou efeitos citotóxicos em células cancerosas de mama, mas não em células normais, esta associação pode emergir uma possível proposta de ensaio clínico, principalmente a partir de associações sinérgicas.
Palavras-chave: câncer de mama, curcumina, piperina, melfalan, MDA-MB-231, antagonismo.

Título: Resveratrol, curcumina, piperina e α-oxaldeídos: bioatividade em células de adenocarcinoma mamário humano MCF-7
Autor: BETINA SCHMIDT
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: SCHMIDT, B.
Data da Defesa: 07/10/2015
Resumo: Atualmente, o câncer de mama representa a neoplasia maligna mais comum entre as mulheres. Os produtos finais de glicação avançada (AGEs do inglês, Advanced Glycation End-Products) tem como precursores para sua formação os substâncias glioxal, metilglioxal e 3-deoxiglicosona, obtidas exógenamente por meio de alimentos ricos em aminoácidos e açúcares e submetidos a elevadas temperaturas, mas podem também ser gerados endogenamente por meio da hiperglicemia persistente e em vias de alta utilização de glicose, como no metabolismo de células cancerosas. Os precursores dos AGEs são deletérios para células saudáveis e para células cancerígenas, por esta razão, estas células otimizam seu sistema enzimático de detoxificação destes compostos, conhecido como sistema da glioxalase, que requer a glutationa reduzida (GSH) como cofator para ação da primeira enzima do sistema, a glioxalase 1 (GLO1). Os compostos bioativos dos alimentos (CBAs), como o resveratrol, a curcumina e a piperina, tem sido associados a efeitos quimioterápicos e quimiopreventivos e poderão influenciar as via de formação e detoxificação dos AGEs em células de câncer. O objetivo deste trabalho foi estudar os efeitos do resveratrol, da curcumina e da piperina, sobre o sistema da glioxalase e a ação destes compostos e dos precursores dos AGEs em células de adenocarcinoma mamário humano MCF-7. Tanto o resveratrol quanto a curcumina e a piperina reduziram a viabilidade das células MCF-7 por meio do ensaio de MTT, gerando valores de IC50 respectivamente iguais a 131 µM, 24,5 µM , 94,5 µM, em 24 horas de tratamento e 83,9 µM, 11,4 µM e 38,3 µM em 48 horas de tratamento. Estes dados foram confirmados pelo ensaio com azul de tripan. O metilglioxal e o glioxal geraram um IC50, em 24 horas de tratamento, igual a 2,8 mM. Este valor aumentado pode se associar a melhora da capacidade de detoxificação destes compostos pelo sistema da glioxalase na linhagem MCF-7. A 3-deoxiglicosona não se demonstrou citotóxica à MCF-7 neste trabalho. Ao tratar a MCF-7 com os valores de IC50 de cada CBA observamos que estes geraram um prejuízo sobre o potencial de membrana mitocondrial, esta alteração pode indicar dano mitocondrial e formação de espécies reaitivas do oxigênio (EROS). Ao pré-incubar as células com os antioxidantes GSH e N-acetilcisteína (NAC), observamos que ambos geram efeitos de proteção à MCF-7 ao efeito citotóxico dos CBAs. Foi ainda observado que o tratamento com os CBAs isolados diminui a atividade da GLO1, e esta queda foi dose dependente. Quando as células foram pré-tratadas com a GSH, a queda da enzima foi protegida nos grupos tratados com o resveratrol e com a curcumina, mas não com a piperina. A curcumina também diminuiu a expressão da GLO1. Na avaliação da liberação de lactato, produto final da via da glioxalase, observamos que esta liberação foi prejudicada nos grupos tratados com os CBAs, e podemos associar este dado ao efeito deletério dos CBAs à mitocôndria da MCF-7. Na avaliação da citotoxicidade na combinação dos CBAs à MCF-7, foi observado que o tratamento da curcumina com resveratrol, curcumina com piperina e resveratrol com piperina gerou um efeito sinérgico de citotoxicidade. A utilização de um meio mais concentrado em glicose não alterou o efeito isolado dos CBAs à MCF-7. Estes resultados obtidos em cultura de células indicam o potencial para pesquisa clínica ao subsidiar o uso de agentes adjuvantes durante a terapia de câncer de mama com CBAs.
Palavras-chave: RESVERATROL, CURCUMINA, PIPERINA, CANCER DE MAMA

Título: Padrões alimentares e saúde mental materna e desenvolvimento neuropsicológico infantil: resultados de estudos de coorte prospectiva do Rio de Janeiro e Bristol/Reino Unido
Autor: ANA AMELIA FREITAS VILELA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: VILELA, A. A. F.
Data da Defesa: 02/10/2015
Resumo: A adesão a padrões alimentares influencia a saúde mental materna na gestação e pós-parto e o desenvolvimento infantil. Objetivos 1 Identificar padrões alimentares no período pré-gestacional e associá-los com sintomas de depressão durante a gestação. 2 Verificar a associação entre os padrões alimentares e sintomas de ansiedade durante a gestação e pós-parto. 3 Obter padrões alimentares no período gestacional, avaliar o consumo de nutrientes dos mesmos e comparar os padrões alimentares das mães e seus filhos. 4 Associar os padrões alimentares maternos e o coeficiente de inteligência de seus filhos aos 8 anos. Métodos Para consecução dos objetivos 1 e 2 utilizou-se dados umacoorte prospectiva degestantes avaliadas nos seguintes períodos: 5-13, 20-26 e 30-36 semanas gestacionais e 3045 dias pós-parto. O consumo alimentar foi obtido por meio de um QFA, referente aos 6 meses anteriores a gestação. Os padrões alimentares foram obtidos por análise de componente principal. Os sintomas de depressão foram mensurados pela Escala de Depressão Pós-Parto de Edimburgo nos três trimestres gestacionais, e os sintomas de ansiedade foram avaliados pelo Inventário de Ansiedade Traço-Estado, no segundo e terceiro trimestres gestacionais e no pósparto. Modelos de regressão de efeitos mistos foram empregados e foram ajustados por fatores obstétricos, socioeconômicos, demográfico e consumo energético total. Para os objetivos 3 e 4 foi utilizado a base de dados do ALSPAC, uma coorte de nascimentos realizada no antigo condado de Avon/UK. O consumo alimentar foi avaliado por um QFA na 32ª semana gestacional. Foi utilizada a análise de cluster para obter os padrões alimentares. A ingestão de nutrientes absoluta e ajustada por energia foram descritas para cada padrão alimentar obtido. A tabulação cruzada e a regressão multinominal foram utilizadas para comparar e verificar a associação entre os padrões alimentares maternos e de seus filhos. QI foi avaliado aos 8 anos pela Wechsler Intelligence Scale for Children-III. Foram elaborados modelos de imputação para os dados faltantes e posteriormente modelos de regressão linear simples e ajustados. Resultados 1 Três padrões alimentares pré-gestacionais foram identificados em 248 mulheres: ‘comum-brasileiro’, ‘saudável’e‘processado’. O padrão ‘saudável’ associou-se negativamente com sintomas de depressão durante a gestação. 2 Foram avaliadas 196 mulheres nesse estudo. Os padrões ‘comum-brasileiro’ e o ‘saudável’ associaram-se negativamente com os sintomas de ansiedade durante a gestação e pós-parto. 3 Três padrões alimentares foram obtidos de 12.195 gestantesavaliadas pelo ALSPAC, os quais foram intitulados ‘frutas e vegetais’, ‘carnes e batatas’ e ‘pão branco e café’. O padrão ‘frutas e vegetais’ apresentou o melhor perfil nutricional após o ajuste por energia. Os filhos 24 na infância aderiram padrões alimentares similares ao que a mãe aderiu durante a gestação, principalmente os padrões alimentares compostos por alimentos saudáveis. 4 As mulheres que aderiram aos padrões ‘carnes e batatas’ e ‘pão branco e café’ tiveram maior risco de ter filhos com menor QI aos 8 anos quando comparadas as mulheres que aderiram o padrão ‘frutas e vegetais’ durante a gestação. Conclusões A maior aderência aos padrões alimentares caracterizados por alimentos saudáveis, como ‘comum-brasileiro’, ‘saudável’ e ‘frutas e vegetais’ reduzem o risco de sintomas de depressão e ansiedade durante a gestação e pósparto e baixos escores de QI na infância.
Palavras-chave: Depressão; Ansiedade; Coeficiente de inteligência, Padrão alimentar; Gestantes; Crianças; Estudos de coorte.

Título: Excesso de peso e acúmulo de gordura abdominal em adultos de baixa renda: evolução e associação com insegurança alimentar e padrões de consumo alimentar
Autor: ERICA GUIMARAES DE BARROS
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: BARROS, É.G.
Data da Defesa: 21/08/2015
Resumo: Este estudo teve como objetivos: (1) descrever a variação das prevalências de excesso de peso e de circunferência da cintura (CC) elevada, segundo as características sociodemográficas em população adulta de baixa renda; (2) avaliar os fatores associados ao excesso de peso, obesidade e CC elevada, em especial, insegurança alimentar (IA) e padrões dietéticos, na mesma população, no ano de 2010. Foram utilizados dados de dois inquéritos domiciliares realizados no município de Duque de Caxias, Rio de Janeiro nos anos de 2005 (n=1.085 domicílios) e 2010 (n=1.121). Para excesso de peso considerou-se o índice de massa corporal (IMC) ≥ 25kg/m² e para obesidade IMC ≥ 30kg/m². CC elevada foi definida como a medida da cintura ≥ 88cm nas mulheres e ≥ 102cm nos homens. Informações sociodemográficas, consumo de álcool, tabagismo e prática de atividade física de lazer (AFL) foram obtidas por questionário. IA foi estimada pela Escala Brasileira de Insegurança Alimentar. O consumo alimentar foi avaliado por meio de questionário de frequência alimentar semi-quantitativo e os padrões dietéticos foram gerados por análise fatorial de componentes principais. As frequências foram comparadas pelo teste Qui-Quadrado e para as associações utilizou-se regressão de Poisson e regressão logística hierarquizada. Para significância estatística considerou-se p<0,05. Entre 2005 e 2010, houve aumento da prevalência de excesso de peso e de CC elevada e redução da IA. O excesso de peso aumentou em ambos os sexos, enquanto a CC elevada aumentou apenas nas mulheres. A análise de regressão de Poisson revelou que o excesso de peso e a CC elevada se associaram positivamente com a idade e inversamente com a escolaridade. Mulheres apresentaram maior risco para CC elevada. Não houve relação entre IA e excesso de peso ou CC elevada. No estudo de 2010, foram identificados três padrões alimentares, denominados de misto, ocidentalizado e tradicional. Condições socioeconômicas desfavoráveis implicaram em menor chance de excesso de peso/obesidade e CC elevada entre os homens, enquanto nas mulheres observou-se tendência oposta. Homens cuja alimentação foi caracterizada por um padrão alimentar misto apresentaram mais chance de excesso de peso e aqueles em situação de IA moderada/grave apresentaram menos chance de CC elevada. Nas mulheres, o consumo do padrão ocidentalizado aumentou a chance de ter excesso de peso e obesidade, assim como o consumo do padrão misto para CC elevada. Em contrapartida, a prática de AFL foi fator de proteção para excesso de peso e obesidade e o padrão tradicional foi fator de proteção para CC elevada. Não houve associação entre IA e os desfechos avaliados entre as mulheres. Os resultados demonstram a vulnerabilidade feminina em populações de baixa renda, sendo importante a implementação de estratégias de prevenção e controle da obesidade que considerem as características e dificuldades vivenciadas por mulheres pobres.
Palavras-chave: excesso de peso, obesidade, obesidade abdominal, insegurança alimentar, consumo alimentar.

Título: TEORES DE ÁCIDOS GRAXOS TRANS EM ALIMENTOS PROCESSADOS HABITUALMENTE CONSUMIDOS POR ADULTOS RESIDENTES EM ÁREA URBANA DO RIO DE JANEIRO E SUA ASSOCIAÇÃO COM BIOMARCADORES DE ÁCIDOS GRAXOS NO PLASMA E TECIDO ADIPOSO
Autor: FLAVIA DA SILVA LIMA DIAS
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: DIAS, F. S. L.
Data da Defesa: 08/05/2015
Resumo: O consumo dietético inadequado é considerado um dos fatores ambientais para o desenvolvimento precoce de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). Desta forma, algumas estratégias dietéticas têm sido propostas, como a redução do consumo alimentar de gorduras saturadas e de gorduras trans e o incentivo à ingestão de gorduras poliinsaturadas. Adicionalmente, vários governos latino-americanos, têm dirigido esforços no sentido de estabelecer políticas que visam eliminar a presença, em alimentos, das gorduras trans produzidas industrialmente, substituindo-as por ácidos graxos (AG) insaturados, de configuração cis. Dada a complexidade em mensurar a ingestão dietética, torna-se importante eleger métodos válidos e de maior exatidão. Como recurso, biomarcadores de AG têm sido utilizados como preditores de DCNT. Assim, este projeto teve como objetivo determinar os teores de AG de alimentos habitualmente consumidos por adultos residentes em área urbana bem como estudar o perfil destes compostos lipídicos presente no plasma e no tecido adiposo subcutâneo desses. Foram selecionados adultos residentes em Duque de Caxias, RJ, a respeito dos quais foram obtidos dados sociodemográficos, antropométricos e dietéticos. Os voluntários também forneceram material biológico (sangue e tecido adiposo subcutâneo) para análises bioquímicas e do perfil de AG. O conteúdo de AG de alimentos, plasma e tecido adiposo foi obtido por cromatografia gasosa. Os teores de ácidos graxos trans (AGT) determinados foram comparados com dados disponíveis na literatura. Observou-se que os teores de AGT variaram de 0 a 12 g% nos alimentos analisados, identificando que houve redução desse tipo de AG nos últimos anos, uma vez que, de acordo com a resolução vigente da Anvisa, a maioria dos alimentos pode ser classificada como livre se AGT. A análise do material biológico revelou maiores concentrações de AG saturados no plasma e de AG monoinsaturados no tecido adiposo, sugerindo a insaturação do ácido esteárico do plasma. Reduzidas concentrações de AGT foram encontradas no plasma e no tecido adiposo dos voluntários, corroborando com os teores também reduzidos deste tipo de gordura nos alimentos processados consumidos pelo grupo estudado. O conjunto de resultados obtidos permite concluir que houve redução de AGT nos alimentos processados, cujo consumo se refletiu nos perfis lipídicos do plasma e do tecido adiposo do grupo investigado. Por fim, o elevado teor de ácidos graxos saturados (AGS) encontrados no plasma indica o consumo recente desse tipo de ácidos graxos, que vem sendo relacionado ao aumento do risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. São necessários, portanto, estudos futuros a fim de investigar o impacto da redução de consumo de AGT com consequente aumento do consumo de AGS por indivíduos e populações.
Palavras-chave: ácidos graxos; biomarcadores; cromatografia gasosa.

Título: Consumo de cálcio e de laticínios e adiposidade: um estudo longitudinal em adolescentes
Autor: ANELISE BEZERRA DE VASCONCELOS DE MORAES
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: MORAES, A.B.V.
Data da Defesa: 07/04/2015
Resumo: Esta tese parte da questão de que a ingestão de cálcio e o consumo de laticínios podem estar associados com os indicadores de adiposidade em adolescentes. Foram utilizados os dados da coorte do ensino médio do Estudo Longitudinal de Avaliação Nutricional de Adolescentes – ELANA, conduzido entre 2010 e 2012, em quatro escolas particulares e duas públicas, da região metropolitana do Rio de Janeiro. Foram analisados os dados de 962 adolescentes das escolas participantes do estudo ELANA, que na linha de base cursavam o 1º ano do ensino médio. Na linha de base e nos tempos de seguimento, foram avaliadas as medidas antropométricas de massa corporal, estatura e perímetro da cintura (PC) e de composição corporal, por uma equipe de profissionais treinados e sob a supervisão de nutricionistas. A composição corporal foi avaliada por meio da impedância elétrica na linha de base e no primeiro ano de seguimento. As demais medidas antropométricas foram avaliadas nos três anos de duração do estudo ELANA. A ingestão de cálcio (mg) e o consumo de laticínios (g/dia) foram avaliados pela aplicação de uma versão reduzida de um Questionário de Freqüência de Consumo Alimentar (QFA), qualitativo e autopreenchido, elaborado e validado especificamente para adolescentes, contendo 72 alimentos, com oito (8) opções de frequência de consumo. O consumo de laticínios (g/dia) foi obtido a partir da soma da quantidade diária (gramas ou mililitros) de leite, queijo, requeijão e iogurte. Os resultados são apresentados em dois manuscritos científicos. O primeiro descreve a associação entre o consumo de cálcio e de laticínios com o excesso de peso, obesidade abdominal e excesso de gordura corporal dos adolescentes participantes na linha de base. As médias do Índice de Massa Corporal (IMC), do perímetro da cintura (PC), da massa gorda corporal (GC) e do percentual de gordura corporal (%GC) foram menores no quintil mais elevado de consumo de cálcio em relação ao quintil mais baixo. Em relação ao consumo de laticínios, as médias de IMC, GC e %GC foram menores somente no 4º quintil. Observou-se redução no risco de excesso de peso (OR=0.42; IC95%= 0.24-0.84), de gordura abdominal (OR=0.16; IC95%=0.05-0.46) e excesso de gordura corporal (OR=0.37; 95%CI= 0.21-0.46) para o 5ºquintil de consumo de cálcio, não sendo observadas associações significativas para o consumo de laticínios. O segundo manuscrito descreve a associação entre o consumo de cálcio e o de laticínios com as mudanças longitudinais nas medidas de IMC, PC, GC e %GC dos adolescentes, utilizando nas análises os modelos lineares de efeitos mistos. Observou-se aumento temporal no perímetro da cintura para ingestão de cálcio inferior a 700mg/dia (β= 0,45 p=0,01) e de 700 a menos do que 1300mg/dia (β= 0,36 p=0,03). Para as demais medidas antropométricas não foram observadas mudanças estatisticamente significativas, tanto para a ingestão de cálcio como para o de laticínios. Esta tese corrobora com a hipótese de que o baixo consumo de cálcio, mas não o de laticínios, está associado com as medidas de obesidade e com mudanças temporais na deposição de gordura corporal em adolescentes.
Palavras-chave: Adolescentes. Estudo longitudinal. Cálcio. Laticínios. Obesidade. Gordura corporal.

Título: Resveratrol e câncer de mama: associação entre espécies reativas de oxigênio e caseína cinase 2
Autor: PAULA SEIXAS DA COSTA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: COSTA, P.S.
Data da Defesa: 28/02/2015
Resumo: É estimado que, em 2020, a incidência de câncer em todo o mundo esteja em torno de 15 milhões de casos. Atualmente, o câncer de mama representa a segunda neoplasia mais mortal entre as mulheres. O Resveratrol (RV) é um polifenol encontrado em uvas e vinho tinto e conhecido por ser quimiopreventivo e quimioterápico, contudo, seus mecanismos de ação ainda não foram completamente elucidados. A caseína cinase 2 (CK2) é uma serina / treonina proteína cinase encontrada em todas as células eucariotas. Ela desempenha um papel crítico na proliferação celular e oncogênese, por isso é uma candidata a alvo molecular para o tratamento de diversos tipos de câncer. No presente estudo demonstramos que o RV em células de câncer de mama MCF-7 induziu a produção de espécies reativas de oxigênio (EROs) e estas inibem a atividade da CK2. Concentrações crescentes de RV reduziram a viabilidade das células MCF-7 de maneira tempo e dose dependente apresentando IC50 de 238 µM e 151 µM para 24 e 48 horas, respectivamente. O inibidor da CK2, 4, 5, 6,7-Tetrabromo-2-azabenzimidazole (TBB), em 24 horas, reduziu a viabilidade das células MCF-7 de maneira dose dependente apresentando um IC50 de 106 µM. A concentração de 200 µM de RV na MCF-7 não causou aumento na produção de EROs em 3h de incubação, contudo, em 24h a mesma concentração aumentou em aproximadamente 50% essa produção. Entretanto, o TBB inibiu a geração de EROs com 3h de tratamento e não aumentou a produção da mesma em 24h. A pré-incubação com os antioxidantes n-acetil cisteína (NAC) e glutationa reduzida (GSH) e a enzima polietilenoglicol-catalase conseguiu proteger a viabilidade celular da MCF-7 do efeito do RV, mas não do TBB. Corroborando com esses resultados, a pré-incubação com a PEG-catalase favoreceu a redução de aproximadamente 50% da produção de EROs observada nas células MCF-7 tratadas com RV por 24h. O RV foi capaz de causar diminuição no potencial de membrana mitocondrial da MCF-7 após 3h e 24h de tratamento. Contudo, ao realizar um pré-tratamento com a PEG-catalase não se constatou disfunção mitocondrial nos dois tempos testados, mesmo após a adição do RV. Ao substituir o RV pelo TBB ocorreu igualmente a perda do potencial de membrana mitocondrial em 3h e 24h, mas o pré- tratamento com a PEG-catalase não alterou o efeito do TBB. Com relação a CK2, o RV e o TBB conseguiram inibir a atividade da enzima após 24h de tratamento. Entretanto, a utilização da PEG-catalase manteve a atividade da CK2 próximo ao da célula MCF-7 controle, mesmo quando o RV foi adicionado, o que não ocorreu na presença de TBB. Interessantemente, o RV exibiu propriedades de absorção, distribuição, metabolismo, excreção e toxicidade (ADMET) favoráveis e preencheu a “regra dos 5s” de Lipinski mostrando ser bem absorvido, permeável, biodisponível e um composto oralmente viável. Concluímos que esses resultados mostraram o efeito do RV sobre a produção de EROS nas células MCF-7 e o seu envolvimento com a inibição da atividade da CK2 e somando-se aos resultados in silico podemos inferir o potencial desse polifenol como uma possível ferramenta para o tratamento do câncer de mama.
Palavras-chave: resveratrol;câncer de mama;caseína;cinase.

Título: Trajetória do índice de massa corporal de adolescentes e associação com fatores demográficos, socioeconômicos e de estilo de vida: estudo longitudinal de avaliação nutricional de adolescentes - ELANA.
Autor: NAIARA FERRAZ MOREIRA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: MOREIRA, N. F.
Data da Defesa: 05/02/2015
Resumo: A presente tese tem como objetivo geral avaliar o efeito de fatores demográficos, socioeconômicos e de estilo de vida sobre os indicadores de composição corporal e a trajetória do índice de massa corporal durante a fase intermediaria e final da adolescência. Para alcançar estes objetivos foram desenvolvidos três manuscritos, utilizando dados do ELANA (Estudo Longitudinal de Avaliação Nutricional de Adolescentes) realizado em quatro escolas privadas e duas escolas públicas localizadas na região metropolitana do Rio de Janeiro. Este estudo é composto por duas coortes, uma realizada com estudantes do ensino fundamental e outra com estudantes do ensino médio. A presente tese é referente apenas aos estudantes do ensino médio que foi comporta por 1.039 adolescentes com idades entre 13,5 e 19 anos na linha de base do estudo. Estes adolescentes tiveram seus dados coletados por três anos consecutivos, entre 2010 e 2012. O primeiro manuscrito desta tese descreveu a trajetória do índice de massa corporal de adolescentes segundo as variáveis demográficas e socioeconômicas e constatou que adolescentes do sexo masculino, estudantes de escolas privadas, de cor da pele branca e filhos de mulheres que estudaram mais de oito anos apresentaram as maiores taxas de aumento do índice de massa corporal no período de acompanhamento. Adicionalmente, meninos de escolas privadas apresentaram maior propensão de ganho de peso excessivo do que seus pares no período. No segundo manuscrito foi possível identificar, por meio de análises de componentes principais, três padrões de comportamentos associados ao balanço energético (consumo de fast foods, refrigerantes, biscoitos recheados, verduras e legumes, frutas, arroz e feijão, tempo de tela, tempo de atividade física e aptidão cardiorrespiratória): 1- padrão não saudável; 2- Padrão de consumo de vegetais e frutas; 3- Padrão de consumo alimentar tradicional e prática de atividade física. Estes padrões não foram associados à taxa de aumento do índice de massa corporal no decorrer dos três anos de seguimento. No terceiro manuscrito avaliou-se, por meio de análises de cluster, o agrupamento de comportamentos relacionados ao balanço energético (consumo de bebidas com adição de açúcar, frutas e verduras, tempo de atividade física e horas de televisão) e a sua associação com medidas antropométricas e de composição corporal em adolescentes brasileiros (ELANA) e europeus (Healthy Lifestyle in Europe by Nutrition in Adolescence – HELENA study). Foram identificados cinco grupos de coocorrência de comportamentos e observou-se associação entre indicadores de composição corporal elevada e os agrupamentos caracterizados por elevado tempo de televisão; elevada prática de atividade física moderada e vigorosa em meninos europeus e meninas brasileiras e pelo elevado consumo de bebidas com adição de açúcar em meninas brasileiras. Conclui-se que as variáveis socioeconômicas foram associadas positivamente ao aumento da taxa de IMC entre meninos, porém padrões de comportamentos não mostraram nenhum efeito sobre essa trajetória. Os resultados do terceiro manuscrito permitem concluir que adolescentes brasileiros e espanhóis apresentam padrões de comportamentos semelhantes, ao menos em partes, e que estes foram associados aos indicadores de composição corporal, principalmente entre as meninas brasileiras.
Palavras-chave: Adolescente. Índice de Massa Corporal. Ganho de peso. Estudos longitudinais. Condição socioeconômica. Comportamentos de risco. Fatores associados.

Título: EVOLUÇÃO DAS CONCENTRAÇÕES SÉRICAS DA PROTEÍNA C-REATIVA DURANTE A GESTAÇÃO E SUA ASSOCIAÇÃO COM O PESO AO NASCER
Autor: LIVIA COSTA DE OLIVEIRA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: OLIVEIRA, L.C.
Data da Defesa: 16/12/2014
Resumo: Introdução: Na gestação, há aumento das concentrações séricas da proteína C-reativa (PCR). No entanto, as concentrações séricas de PCR maternas podem ser alteradas na presença de determinados fatores. Inclusive, podem estar associadas ao peso ao nascer (PN). Objetivo: Descrever a evolução das concentrações séricas de PCR na gestação, verificar os fatores associados às alterações nessas concentrações e investigar sua associação com o PN. Métodos: Estudo do tipo coorte, no qual gestantes adultas foram entrevistadas entre a 5ª-13ª, 20ª-26ª e 30ª-36ª semanas de gestação e 30-45 dias pós-parto. A concentração sérica da PCR (mg/L) foi determinada pela técnica da imunoturbidimetria. O PN (g) foi obtido no cartão de vacinação da criança. Empregou-se o procedimento estatístico de regressão linear longitudinal de efeitos mistos e regressão linear [coeficiente de variação (β) e intervalo de confiança (IC) de 95%]. Resultados: As concentrações séricas de PCR aumentaram durante a gestação, com valores médios de 5,69 mg/L no 1º, 6,09 mg/L no 2° e 8,85 no 3° trimestre de gestação (p valor < 0,001). A paridade (β = 1,59; IC 95% = 0,73 – 2,43) e o índice de massa corporal (IMC) pré-gestacional (β = 0,32; IC 95% = 0,05 – 0,58) associaram-se positivamente e a carga glicêmica (CG) da dieta negativamente (β = -0,20; IC 95% = -0,38 – -0,03) com as concentrações séricas da PCR. A média do PN foi 3.369,1 (34,6) g. As concentrações séricas da PCR no 1º trimestre foram positivamente associadas com o PN (β = 20,56; IC 95% = 2,38 – 38,74) e negativamente no 3º (β = -17,21; IC 95% = -31,64 – -2,78). Gestantes que tiveram maior variação percentual da PCR do 2º para o 3º trimestre, tiveram filhos com menor PN (β = -223,02; IC 95% = -454,72 – -8,69). Conclusão: Em gestantes adultas, as concentrações séricas de PCR aumentaram durante a gestação. A evolução das concentrações da PCR variou de acordo com a paridade, o IMC pré-gestacional e a CG da dieta. As concentrações séricas da PCR no 1º trimestre de gestação podem não ser bom marcador do PN. Já as concentrações no 3º trimestre e a variação percentual do 2º para o 3º trimestre de gestação foram associados ao nascimento de crianças com menor peso.
Palavras-chave: Proteína C-reativa; peso ao nascer; gestação; estado nutricional; paridade; carga glicêmica da dieta

Título: Análise estratégica dos Serviços de Alimentação Permissionários do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Rio de Janeiro: Uma aplicação da matriz SWOT
Autor: MARIA ELIZA ASSIS DOS PASSOS
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: PASSOS, M.E.A.
Data da Defesa: 08/12/2014
Resumo: A Universidade Federal do Rio de Janeiro comporta em seu campus os chamados serviços de alimentação permissionários. A análise estratégica desses serviços permite o diagnóstico de funcionamento dos mesmos e a identificação de eventuais distorções, visando à melhoria e, assim, minimizando possíveis malefícios à saúde dos consumidores. O objetivo deste estudo foi analisar estrategicamente os serviços de alimentação permissionários localizados no Centro de Ciências da Saúde do campus da Cidade Universitária, da Ilha do Fundão. O método de pesquisa foi o estudo de campo. A matriz SWOT, instrumento que relaciona as condições internas e externas de um serviço, foi utilizada para a realização da análise estratégica. Para alimentar a matriz foram inseridos dados coletados em três eixos distintos que tiveram os seguintes focos: consumidores dos serviços (n=300); gestores dos serviços de alimentação e características de funcionamento dos serviços (n=14); e membros da administração universitária. Para a coleta dos dados foram utilizados os subsequentes instrumentos: questionários aplicados aos consumidores e gestores, lista de checagem desenvolvida com base na RDC 216/2004, grupo focal junto aos gestores dos serviços, e questionários e entrevistas com os funcionários das instâncias superiores da universidade. Os gestores dos serviços avaliados eram, na sua maioria, do sexo masculino (73%) e com ensino médio completo (43%). Dos consumidores entrevistados, 24%, 72% e 73% deles realizam o desjejum, almoço e lanche nos serviços permissionários, respectivamente, destacando a intensa dependência de parte da comunidade com relação a esses serviços. Apesar de não existir nenhuma forma de controle de funcionamento dos serviços de alimentação, a importância de fiscalização dos mesmos para garantia da qualidade aos consumidores é reconhecida pelas instâncias superiores da universidade. O grau de conformidade dos serviços com relação aos itens da legislação vigente variou de zero a 66%. Para preenchimento da matriz SWOT os dados coletados foram então classificados como ameaças ou oportunidades, quando provenientes da avaliação do ambiente externo, ou fraquezas e pontos fortes, originados do ambiente interno. Como fraquezas dos serviços foram ressaltadas a pouca comunicação entre os serviços e a administração da universidade e a ausência de controle dos gestores dos serviços com relação à satisfação dos consumidores; como ameaças, destacou-se a ausência de investimentos nos serviços, o que agrava a percepção dos consumidores, e o distanciamento entre administração universitária e os serviços de alimentação. A matriz SWOT teve um resultado positivo com relação à sua aplicação na análise desses serviços, evidenciando uma inovação na área. O posicionamento dos serviços avaliados nos quadrantes da matriz SWOT foi o de “área de risco acentuado”, evidenciando a crítica situação de funcionamento dos serviços. A análise estratégica permitiu visualizar uma lacuna na gestão dos serviços, tanto por parte dos gestores como pela Universidade, o que reforça a necessidade da implementação de medidas emergenciais para que as fraquezas sejam corrigidas e as ameaças tenham impacto minimizado, bem como a elaboração de um programa de intervenção para capacitação dos gestores dos serviços de alimentação permissionários situados no CCS/UFRJ.
Palavras-chave: Serviços de alimentação; Permissionários; Lista de checagem; Higiene dos alimentos; Matriz SWOT; Análise estratégica

Título: Antropometria, composição corporal e maturação sexual de atletas adolescentes de pentatlo moderno
Autor: SIDNEI JORGE FONSECA JUNIOR
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: JUNIOR, S.J.F.
Data da Defesa: 24/11/2014
Resumo: A antropometria, composição corporal e maturação sexual são importantes na caracterização do perfil de atletas e asseguram a identificação de alterações que ocorrem com dietas específicas ou no decorrer de uma temporada de treinamento de adolescentes. Entretanto, o pentatlo moderno é carente de estudos. A pesquisa teve como objetivo geral investigar a antropometria, a composição corporal e a maturação sexual em atletas adolescentes de pentatlo moderno. Inicialmente, o objetivo foi analisar a validade entre a absortometria radiológica de dupla energia (DXA) e as equações preditivas que utilizam dobras cutâneas para estimar a gordura corporal em atletas adolescentes de pentatlo moderno. A amostra foi composta por 27 meninos (média15,1±1,5 anos de idade) e 24 meninas (média14,2±2,5 anos de idade). As equações de densidade corporal de Durnin e Rahaman (1967) e Durnin e Womersley (1974) demonstraram melhores concordâncias com o DXA no feminino (diferença de médias=-2,03;2DP=8,44) e no masculino (diferença de médias=0,98;2DP=7,30), com a equação de Siri para determinação do percentual de gordura em ambos os sexos, ou a de Weststrate e Deuremberg no masculino (diferença de médias=1,20;2DP=8,34). No entanto, a alta variabilidade na diferença de resultados, demonstra imprecisão e cuidados com suas aplicações no cotidiano esportivo. Posteriormente, o objetivo foi analisar as características antropométricas, a composição corporal e a maturação sexual de pentatletas adolescente, participantes em três edições do Campeonato Brasileiro de Pentatlo Moderno, com abordagem longitudinal-misto em cada categoria investigada. No masculino (n=59), diferenças significativas (p<0,05) entre “destaques” e “não destaques” foram observadas na categoria jovem D (11,0-13,0 anos de idade) na estatura (p=0,001), envergadura(p=0,001), massa corporal(p=0,007), massa magra(p=0,002) e circunferência de tórax(p=0,020). A análise descritiva dos estágios de maturação sexual mostrou benefícios do estado maturacional avançado nos resultados competitivos, que pode ser influenciado pela idade relativa. A descrição dos dados nas demais categorias demonstrou que o baixo percentual de gordura, a massa magra desenvolvida, a envergadura maior que a estatura, somatótipo com maiores valores da mesomorfia, seguido da ectomorfia e com valores baixos de endomorfia são características específicas de atletas adolescentes de pentatlo moderno do sexo masculino. No feminino (n=55), os resultados baseados na estatística descritiva, permitiram concluir que a idade relativa, envergadura e o somatótipo antropométrico são medidas importantes na avaliação das pentatletas adolescentes. A idade de ocrrência da menarca foi baixa para atletas de uma modalidade que exige treinamentos intensos. Menores proporções de meninas menarqueadas nas categorias Jovens D e C mostram a tendência de atraso maturacional nas atletas destaques. Os valores encontrados na variável gordura corporal foram altos para as exigências deste desporto. Em suma, nossos achados mostraram que as equações de densidade corporal de Durnin e Rahaman (1967) e Durnin e Womersley (1974), com a equação de Siri para determinação do percentual de gordura em ambos os sexos, ou a de Weststrate e Deuremberg no masculino, são as melhores alternativas para avaliação da composição corporal em atletas adolescentes de pentatlo moderno com dobras cutâneas. Ademais, foram apresentados subsídios iniciais da antropometria, composição corporal e maturação sexual de pentatletas adolescentes, que podem ser aplicados no cotidiano esportivo do pentatlo moderno.
Palavras-chave: validade, estado maturacional, puberdade, somatótipo e menarca.

Título: Da Uva ao Suco: Análises Sensorial, de Compostos Bioativos e de Capacidade Antioxidante e Estabilidade Microbiológica
Autor: MARIA LUCIA MENDES LOPES
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: LOPES, M.L.M.
Data da Defesa: 24/10/2014
Resumo: As uvas são ricas em compostos fenólicos, que oferecem benefícios à saúde. As variedades Isabel e Concord estão entre as mais utilizadas na produção de suco no Brasil. Essa produção, quando realizada na própria propriedade rural ou em cooperativas, representa alternativa para geração de renda para os produtores. O processamento da uva pode causar alteração dos compostos bioativos e da capacidade antioxidante no produto. O objetivo deste trabalho foi avaliar o teor de compostos fenólicos totais, teor e perfil de antocianinas, capacidade antioxidante, características físico-químicas e parâmetros colorimétricos dos produtos de uvas de diferentes variedades e o efeito da extração de suco de uva sobre esses parâmetros. Sucos de uva Isabel obtidos por diferentes métodos de extração foram avaliados quanto aos teores de compostos fenólicos, antocianinas totais, capacidade antioxidante, características físico-químicas e cor. A aceitabilidade sensorial e estabilidade química e microbiológica dos sucos preparados por extração a vapor também foram avaliadas. Em uvas da variedade Isabel, sua casca e polpa, no suco obtido por extração a vapor e no resíduo obtido após a extração do suco foram investigados o teor e o perfil de antocianinas, o teor de compostos fenólicos e a capacidade antioxidante. Sucos de uva Concord orgânico e convencional foram avaliados quanto aos parâmetros colorimétricos, capacidade antioxidante e compostos fenólicos. Foi, também, verificado o efeito da alta pressão hidrostática (APH) em uvas sobre o teor de compostos fenólicos no suco extraído a vapor e no resíduo. O suco extraído a vapor apresentou maior teor de compostos fenólicos solúveis, antocianinas e capacidade antioxidante, quando comparado aos sucos preparados por outros métodos. O prolongamento do processo de extração por 5h reduziu o teor de sólidos solúveis e acidez, assim como o teor de antocianinas, enquanto o teor de compostos fenólicos solúveis e a capacidade antioxidante aumentaram, especialmente entre a primeira e a segunda hora de extração. Embora o suco extraído a vapor tenha se mantido microbiologicamente estável durante a estocagem, houve redução no teor de compostos fitoquímicos, principalmente nos cinco primeiros meses. Foram identificadas 15 antocianinas majoritárias na casca da uva Isabel, no suco e no resíduo, sendo os derivados de malvidina presentes em maior quantidade. O resíduo apresentou maior conteúdo de compostos fenólicos e capacidade antioxidante quando comparado às demais amostras. A extração a vapor promoveu alteração no perfil de antocianinas no suco e no resíduo. Entre os sucos de uvas Concord orgânicas e convencionais, houve diferença de cor, o teor de antocianinas foi maior no suco convencional e o teor de compostos fenólicos totais, foi similar entre os sucos. O tratamento de uvas Isabel por APH a 600 MPa permitiu maior extração de compostos fenólicos do resíduo da uva, em relação ao tratamento a 400 MPa. Os resultados deste estudo demonstram a influência de diferentes métodos de extração sobre a qualidade do suco de uva, assim como o efeito da estocagem e da extração a vapor sobre características de qualidade do mesmo. Demonstram, ainda, que o resíduo da produção de suco de uva a vapor apresenta potencial para ser utilizado como fonte de compostos bioativos.
Palavras-chave: Suco de uva. Extração a vapor. Compostos bioativos. Capacidade antioxidante. Resíduo de uva.

Título: EXPRESSÃO DE PROTEÍNAS PLACENTÁRIAS ENVOLVIDAS NA TRANSFERÊNCIA DE ÁCIDOS GRAXOS DE CADEIA LONGA E ESSENCIAIS PARA O FETO EM GESTAÇÕES COM RETARDO DE CRESCIMENTO INTRAUTERINO
Autor: RENATA PEREIRA ASSUMPCAO
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: RENATA P. ASSUMPÇÃO
Data da Defesa: 23/10/2014
Resumo: O transporte placentário adequado de ácidos graxos (AG) é de crucial importância para o crescimento e desenvolvimento normal do feto. O objetivo do presente estudo foi investigar em mães e seus recém-nascidos, com e sem crescimento intrauterino restrito (CIUR), o perfil de AG na placenta e nos compartimentos materno-fetais eritrocitários assim como a expressão gênica de proteínas envolvidas na captação e/ou transporte de ácidos graxos polinsaturados de cadeia longa (AGPI-CL) e ácidos graxos essenciais (AGE). 23 gestantes participaram do estudo: 15 foram incluídas no grupo controle e 8, cujos recém-nascidos foram diagnosticados com CIUR, sem enfermidades associadas e intercorrências clínicas, integraram o grupo CIUR. Informações sociodemográficas, antropométricas e obstétricas foram obtidas por meio de consulta aos prontuários ou entrevista. Os ésteres de AG, obtidos após extração, saponificação e metilação dos lipídios das amostras sanguíneas e de placenta, foram quantificados por cromatografia gás-líquido. A expressão dos genes que codificam as proteínas envolvidas na captação e/ou transporte de AGPI-CL e AGE foi avaliada por PCR em Tempo Real nas placentas de ambos os grupos. Os resultados foram expressos como média ± desvio-padrão em mg/100 mg de AG totais. Os teores dos AG foram correlacionados com a expressão das proteínas transportadoras e associados às variáveis antropométricas indicativas de crescimento do neonato. Os resultados mostraram que gestantes CIUR ganharam menos peso ao longo da gestação em comparação as gestantes controle (peso final = 9,76 ± 4,0Kg versus 15,3 ± 2,4Kg, respectivamente). O peso da placenta também foi inferior nas gestantes CIUR (464 ± 39g) em relação às controles (645 ± 100g, p<0,0001). O peso e o perímetro cefálico ao nascer foram menores no grupo CIUR em relação ao grupo controle (p<0,0001). Em placentas de gestantes CIUR, observamos maior expressão das FATP (1, 2 e 4), FABP (3 e 4), FABPpm, CD36 e da LPL, sem alteração na concentração de AGE e de AGPI-CL nos lipídios totais neste tecido. Em eritrócitos de gestantes e recém-nascidos do grupo CIUR, identificamos menores concentrações de ácido araquidônico (AA), ácido docosahexaenoico (DHA) assim como razão DHA/linolênico mais reduzida em comparação ao grupo controle. Esses resultados apontam que em gestações que envolvem CIUR a composição da dieta materna e, consequentemente, a concentração de AG nos eritrócitos destas mulheres, podem influenciar a disponibilidade fetal de AGPI-CL. Além disso, observou-se que menores concentrações de AGPI-CL na circulação materna aumentaram o mRNA das proteínas responsáveis pela captação desses AG nos trofoblastos, bem como o mRNA das proteínas transportadoras citoplasmáticas intracelulares, que facilitam o seu transporte para a circulação fetal. Futuras investigações são necessárias para verificar a quantidade das proteínas traduzidas a partir dos mRNA transcritos e o mecanismo que promove essa regulação.
Palavras-chave: ácidos graxos, mRNA de proteínas transportadoras de ácidos graxos, crescimento intrauterino restrito

Título: FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM ADULTOS DE CUIABÁ-MT, 2006-2009
Autor: SOLANYARA MARIA DA SILVA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: SILVA, S.M.
Data da Defesa: 06/08/2014
Resumo: Em Cuiabá-MT, mais da metade dos óbitos são devidos às doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), assim como grande parte dos gastos com atenção à saúde. O sistema VIGITEL (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), é fonte de dados sobre os fatores de risco e proteção para essas doenças no país. Este estudo tem como objetivos (1) analisar as variações temporais e a distribuição dos fatores de risco e proteção para DCNT e (2) analisar a associação entre características sociodemográficas e indicadores do estilo de vida com a autoavaliação de saúde. O estudo baseou-se em estudos transversais, de base populacional, desenvolvidos pelo VIGITEL. O tamanho amostral foi próximo a 2000 indivíduos com ≥18 anos de idade e a taxa de resposta ficou acima de 70% em todos os anos. Para a elaboração do primeiro manuscrito da tese, realizou-se análise temporal para avaliar as variações entre 2006 e 2009 na prevalência dos fatores de risco e proteção para as DCNT segundo sexo, idade e escolaridade. Foram desenvolvidos modelos de regressão logística binária, tendo como variáveis dependentes os fatores de risco analisados (ausente=0; presente=1) e como variável independente o ano do inquérito. A variação foi considerada significativa quando o coeficiente de regressão para a variável “ano do inquérito” foi estatisticamente diferente de zero (p<0,05). Na elaboração do segundo manuscrito, foram utilizados os dados obtidos em 2009 e avaliou-se a associação entre as características sociodemográficas e de estilo de vida com a autoavaliação da saúde, com o uso do teste qui-quadrado. Observou-se aumento na proporção de homens que relataram nunca ter fumado (de 53 para 61%; p=0,04) e, de modo geral, a frequência de consumo regular de refrigerantes se reduziu em 23% (p<0,01) e o consumo de Frutas, Legumes e Verduras (FLV) aumentou em 19% (p=0,02), sendo esse incremento mais evidente em homens (49%; p<0,01). Observou-se redução de atividade física no domicílio (p<0,01) e de atividade física de lazer em mulheres (de 14 para 10%; p=0,02), porém observou-se incremento na proporção de mulheres e de indivíduos com > 40 anos de idade que faziam deslocamento ativo diariamente. A autoavaliação da saú indicações de como essa população percebe sua condição de saúde em relação aos principais fatores de risco e proteção para essas doenças. Com este estudo espera-se proporcionar bases científicas que colaborem para a formulação das políticas públicas de promoção à saúde e prevenção de DCNT em Cuiabá.
Palavras-chave: Fatores de risco, Doença Crônica, Epidemiologia, Autoavaliação Diagnóstica, Doenças Cardiovasculares, Inquérito epidemiológico, Habitos Alimentares, Nutrição, Sistema de Vigilância de Fatores de Risco Comportamental.

Título: Qualidade da dieta e hábitos alimentares dos adolescentes brasileiros
Autor: LUANA SILVA MONTEIRO
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: MONTEIRO, L.S.
Data da Defesa: 10/06/2014
Resumo: Esta tese apresenta resultados de dois manuscritos, desenvolvidos com base na análise dos hábitos de desjejum e da qualidade da dieta dos adolescentes brasileiros. Foram analisados os dados obtidos no primeiro Inquérito Nacional de Alimentação realizado em 2008-2009. O consumo alimentar foi estimado com base em dados de um dia de registro alimentar de amostra representativa nacionalmente de indivíduos entre 10 e 19 anos de idade (n=7.425), excluídas as meninas gestantes e lactantes. No primeiro manuscrito o objetivo foi caracterizar o desjejum dos adolescentes brasileiros. O desjejum foi considerado como a primeira ocasião de consumo alimentar referida entre 4 horas e onze horas da manhã que não incluísse alimentos comumente consumidos no almoço e jantar, especificamente, arroz, feijão ou macarrão. Constatouse que essa refeição foi realizada por 93% dos adolescentes, em média às 7 horas da manhã. Em média, o desjejum contribuiu com 18% da ingestão diária de energia. O café, leite, pão e manteiga/margarina foram os alimentos mais comumente consumidos no desjejum desses adolescentes. Foram verificadas variações na composição do desjejum segundo a renda, e diferenças sutis segundo as grandes regiões do Brasil, sinalizando assim que há homogeneidade no hábito alimentar do desjejum no país. No segundo manuscrito, foram avaliadas as diferenças na qualidade da dieta de adolescentes, considerando o gradiente de consumo de alimentos com teor elevado de gordura saturada e trans e açúcar de adição (SoFAS). Utilizando-se a curva ROC e com base na ingestão recomendada de gordura saturada, definiu-se o limite que caracteriza a ingestão excessiva de SoFAS em 40% da energia diária. Observou-se que 72% de adolescentes brasileiros apresentaram elevada ingestão de SoFAS e, em média, as SoFAS forneciam 53% da ingestão diária de energia. Dentre os adolescentes com elevada ingestão de SoFAS, observou-se consumo reduzido de peixe, aves, raízes e tubérculos e preparações à base de milho e consumo mais elevado de balas & chocolates, hambúrgueres, pizza, cereais matinais, sanduíches & salgados, molhos para salada, queijos, iogurte, biscoitos & bolos, leite, sucos naturais, bebidas adoçadas com açúcar, salgadinhos & chips e carnes processadas. Por outro lado, adolescentes com ingestão moderada de SoFAS apresentaram consumo mais elevado de arroz, feijão, café ou chá, pães, peixe, aves, raízes e tubérculos e preparações à base de milho quando comparados aqueles com consumo elevado de SoFAS. Os achados da presente tese, evidenciam a necessidade de atenção especial aos hábitos alimentares inadequados de adolescentes, dadas as repercussões negativas do ponto de vista da saúde pública, como o aumento da obesidade e o desenvolvimento de distúrbios metabólicos, precursores de doenças crônicas não transmissíveis.
Palavras-chave: Dieta, hábitos alimentares, adolescentes brasileiros

Título: ASSOCIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE VITAMINA A COM ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, ADIPOSIDADE CORPORAL, ESTRESSE OXIDATIVO E FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM MULHERES COM INGESTÃO DIETÉTICA RECOMENDADA DE VITAMINA A
Autor: CLAUDIA TERESA BENTO
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: CLAUDIA BENTO
Data da Defesa: 04/06/2014
Resumo: A obesidade é uma doença universal e vem adquirindo proporções epidêmicas. Evidências apontam o envolvimento da vitamina A na regulação da massa adiposa, no estresse oxidativo, influenciando na obesidade, diabetes mellitus tipo 2 (DM2) e nas doenças cardiovasculares. Objetivo: Investigar o estado nutricional de vitamina A por meio dos indicadores bioquímico e funcional e sua associação com o índice de massa corporal (IMC) e a adiposidade corporal, DM2 e estresse oxidativo em mulheres com ingestão dietética recomendada de vitamina A. Metodologia: Trata-se de um estudo caso-controle com 200 pacientes, os quais foram divididos em: Grupo controle (n = 80): eutróficas (EU) e 3 grupos - casos (n= 40/ cada): com sobrepeso (SP), obesidade grau 1(O1) e grau 2(O2). O IMC foi classificado segundo os pontos de corte recomendados pela WHO e para classificação da circunferência da cintura (CC) foi utilizado o proposto pelo International Diabetes Federation. As concentrações séricas de retinol e β-caroteno foram analisadas por Cromatografia Liquida de Alta Eficiência com detector ultravioleta, com pontos de corte < 1,05 µmol/L e < 40 µg/dL, respectivamente. A cegueira noturna (CN) foi avaliada utilizando a entrevista padronizada e validada pela Organização Mundial da Saúde e Organização Pan-Americana da Saúde. O ponto de corte adotado para ingestão dietética recomendada de vitamina A foi de 700 µg/dia (Institute of Medicine). O diagnóstico DM2 se deu conforme as normas da American Diabetes Association. Foi mensurado o perfil lipídico, glicêmico e o estresse oxidativo foi avaliado por meio das concentrações de ácido úrico, glutationa peroxidase (GSH-Px) e substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico (TBARS). Resultados: Observou-se ausência de CN nas mulheres eutróficas e seu percentual aumentou gradativamente, conforme o excesso de peso, alcançando 25% no grupo com obesidade grau 2. Foi observada correlação negativa entre as concentrações séricas de retinol e ß-caroteno e as variáveis do perfil lipídico e de marcadores do estresse oxidativo nos grupos estudados. A deficiência sérica de retinol apresentou associação de 14, 35,3 e 65,4 vezes na chance de ocorrência de sobrepeso, obesidade grau 1 e 2, respectivamente. A deficiência de β-caroteno associou-se à 5, 17 e 26,7 vezes na chance de ocorrência de sobrepeso, obesidade grau 1 e 2 respectivamente, As mulheres com SP, O1 e O2 que apresentaram concentrações inadequadas de retinol e ß-caroteno séricos apresentaram maiores razão de chance para CC inadequada, o diagnóstico de DM2, altas concentrações sanguíneas de LDL - colesterol, triglicerídeos, TBARS, ácido úrico e baixas concentrações de HDL - colesterol e glutationa peroxidase, se comparadas as mulheres eutróficas com concentrações de retinol e β-caroteno adequadas. Conclusão: No presente estudo a inadequação do estado nutricional de vitamina A associou-se ao excesso de peso, obesidade, adiposidade corporal e ao estresse oxidativo. Assim o conhecimento do estado nutricional da vitamina A pode contribuir para subsidiar novas estratégias dietéticas eficazes para um melhor controle de massa corporal, além de contribuir para o aumento da capacidade antioxidante e a prevenção de fatores de risco cardiovasculares.
Palavras-chave: Sobrepeso, obesidade; retinol; β-caroteno; cegueira noturna, lipídeos, estresse oxidativo.

Título: FATORES ASSOCIADOS ÀS CONCENTRAÇÕES PLASMÁTICAS DE LEPTINA E AO GANHO DE PESO MATERNO AO LONGO DA GESTAÇÃO SEGUNDO O IMC PRÉ-GESTACIONAL
Autor: ANA BEATRIZ FRANCO SENA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: SENA, A. B. F.
Data da Defesa: 25/02/2014
Resumo: Introdução: As concentrações de leptina aumentam ao longo da gestação, porém pouco se sabe sobre os fatores que influenciam essa alteração fisiológica e se eles são diferentes de acordo com o estado nutricional pré-gestacional. Adicionalmente, esse hormônio já foi associado ao ganho de peso gestacional (GPG), mas nenhum estudo foi identificado em mulheres com Índice de Massa Corporal (IMC) pré-gestacional excessivo. Objetivo: (1) Avaliar se variáveis bioquímicas, antropométricas e de estilo de vida influenciam a evolução longitudinal da leptina na gestação e também (2) avaliar o efeito da leptina e outras variáveis selecionadas no GPG em mulheres com IMC pré-gestacional normal, de sobrepeso e obesidade. Métodos: Coorte prospectiva com 232 gestantes acompanhadas nos seguintes momentos: 5-13, 20-26 e 30-36 semanas gestacionais. Modelos de regressão longitudinal linear de efeitos mistos foram rodados para se avaliar o efeito das variáveis independentes sobre as concentrações plasmáticas de leptina e sobre o GPG. Ambas as análises foram estratificadas por categorias de IMC pré-gestacional (peso normal = 18,5 kg/m2 ≤ IMC < 25 kg/m2; sobrepeso: 25,0 ≤ IMC < 30,0; obesidade: IMC ≥ 30,0 kg/m2. Resultados: (1) O modelo múltiplo para mulheres com IMC pré-gestacional normal revelou associações do peso corporal materno, do HDL-colesterol e da proteína C-reativa com as concentrações plasmáticas de leptina. O peso corporal materno e as concentrações de HDL-colesterol também se associaram à leptina em mulheres com sobrepeso. Em mulheres obesas, as variáveis associadas à leptina foram: concentrações de HDL-colesterol e triglicerídeos, o peso corporal materno e a quantidade de carboidratos da dieta. (2) No modelo múltiplo para mulheres com IMC normal, as seguintes covariáveis permaneceram significativamente associadas ao GPG: leptina, HDL-colesterol, QUICKI, estatura materna e duração do sono. Em mulheres com sobrepeso, as variáveis associadas foram leptina, estatura materna e QUICKI. Em mulheres com obesidade pré-gestacional, HDL-colesterol, estatura materna, duração do sono, QUICKI, estado civil e hábito de fumar foram as variáveis associadas ao GPG. Uma interação negativa entre as concentrações de leptina e a duração do sono foi encontrada apenas em mulheres com sobrepeso pré-gestacional. Conclusão: (1) O peso corporal materno e as concentrações séricas de HDL se associaram às concentrações de leptina independente do IMC pré-gestacional. As concentrações séricas de PCR se associaram à leptina apenas em mulheres com peso normal, e os triglicerídeos séricos e a quantidade de carboidrato da dieta apenas em mulheres com obesidade. Esses resultados indicam que os fatores que influenciam as concentrações de leptina são diferentes de acordo com o IMC pré-gestacional. (2) As concentrações de leptina se associaram positivamente ao GPG em mulheres com IMC pré-gestacional normal e de sobrepeso, mas não em mulheres obesas. Porém, em mulheres com sobrepeso, a duração do sono diminuiu o efeito da leptina sobre o GPG. Outros fatores associados ao GPG apresentam efeitos especificamente em algumas categorias de IMC pré-gestacional. Os resultados da presente tese indicam que os mecanismos associados ao GPG são diferentes em mulheres obesas e que essa diferença pode ser, de alguma forma, atribuível a uma resistência à ação da leptina.
Palavras-chave: leptina, ganho de peso, índice de massa corporal, gestação, estudos longitudinais.

Título: HÁBITOS ALIMENTARES, ESTILO DE VIDA E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES: UM ESTUDO DE BASE ESCOLAR EM CUIABÁ-MT
Autor: PAULO ROGERIO MELO RODRIGUES
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: RODRIGUES, P. R. M.
Data da Defesa: 24/09/2013
Resumo: Esta tese é composta por quatro manuscritos, fundamentados na análise dos hábitos alimentares, comportamentos de risco relacionados ao estilo de vida e status de peso de adolescentes, visando analisar o uso de medidas simplificadas na avaliação das condições de peso e alimentação. Foram analizados os dados provenientes de estudo transversal, de base escolar, desenvolvido em 2008, com estudantes de escolas públicas e privadas, com idade entre 14 e 19 anos, Cuiabá, Mato Grosso. Os adolescentes foram selecionados utilizando amostra probabilística em conglomerados e os dados foram coletados utilizando questionário auto-respondido. O primeiro manuscrito avaliou a validade de medidas de peso e estatura autorreferidas e concluiu que estas podem ser utilizadas para estimar o status de peso de adolescentes, pois foram altamente concordantes com as medidas aferidas. O segundo manuscrito estimou a prevalência de comportamentos de risco relacionados ao estilo de vida, o agrupamento desses comportamentos, os fatores associados e sua relação com a autopercepção do estado de saúde. Os comportamentos de risco mais frequentes foram consumo excessivo de sódio, padrão de refeições insatisfatório, consumo excessivo de gordura saturada e consumo de bebidas alcoólicas. Os grupos em maior risco de apresentar múltiplos comportamentos de risco foram: meninos pertencentes a famílias com maior poder aquisitivo e meninas das escolas públicas estaduais e das escolas privadas. O terceiro manuscrito avaliou a concordância entre a autopercepção da qualidade da alimentação e indicadores de hábitos e consumo alimentar. Entre os meninos, a autopercepção de boa alimentação associou-se ao consumo de hortaliças, ao padrão de refeições satisfatório e ao relato de que tinham conhecimentos sobre alimentação saudável. Já entre as meninas, referir ter boa alimentação foi associado ao consumo de frutas, ao padrão de refeições satisfatório, ter conhecimentos sobre alimentação saudável e maior aderência ao padrão alimentar “Misto”, o qual incluía macarrão, tubérculos e raízes, peixes, ovos, frutas e legumes. Porém, para ambos os grupos, considerar sua alimentação como boa não se associou ao consumo de gordura saturada, de pele do frango, de gordura visível da carne e de ‘calorias vazias’, denotando que os adolescentes não identificam componentes deletérios que podem afetar a qualidade da alimentação. Por fim, foi estimada a associação entre hábitos de consumo de refeições e indicadores da qualidade da dieta. O consumo diário do desjejum associou-se com melhor qualidade da dieta, consumo mais elevado de frutas e leite e derivados e menor ingestão de sódio. A realização diária do almoço associou-se ao maior consumo de verduras, carnes, ovos e leguminosas e a realização regular do jantar associou-se ao maior consumo de frutas. Destacando assim que o consumo das refeições principais, principalmente o desjejum, pode ser considerado um indicador de melhor qualidade da dieta.
Palavras-chave: Adolescente. Auto-percepção. Qualidade da dieta. Consumo de refeições. Estilo de vida. Comportamentos de risco. Condição socioeconômica.

Título: IMPACTO DA SUPLEMENTAÇÃO COM ÓLEO DE PEIXE NA CONCENTRAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS EM ERITRÓCITOS, NOS MARCADORES INFLAMATÓRIOS E NO ESTADO CLÍNICO E NUTRICIONAL EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM FIBROSE CÍSTICA
Autor: ANA LUCIA PEREIRA DA CUNHA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: CUNHA, A.L.P.
Data da Defesa: 31/07/2013
Resumo: Desequilíbrios no perfil de ácidos graxos foram descritos no plasma e tecidos de pacientes com Fibrose Cistica (FC). Entretanto até o momento a fisiopatologia destas alterações e os benefícios da suplementação com ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa n-3 (AGPI-CL n-3) ainda não foram esclarecidos. O objetivo deste estudo foi investigar os efeitos da suplementação com óleo de peixe, fonte de ácido eicosapentaenoico (EPA) e docosahexaenóico (DHA), na concentração de ácidos graxos nos eritrócitos, nos marcadores inflamatórios e no estado clínico e nutricional em crianças e adolescentes fibrocísticos. Foi realizado ensaio clínico prospectivo controlado do tipo antes e depois, dividido em dois períodos de seis meses, sendo o paciente seu próprio controle. Foram estudados pacientes com diagnóstico de FC, entre 5 e 19 anos, matriculados em um Centro de Referência no Rio de Janeiro, entre 2009 e 2010. Nos primeiros seis meses todos foram suplementados com óleo de peixe encapsulado (20 a 30mg/kg/dia de EPA e DHA) e após este período a suplementação foi suspensa. A cada três meses, durante um ano, foi realizada avaliação nutricional, coleta de dados clínicos e análise dos ácidos graxos nos eritrócitos por cromatografia gasosa e das citocinas séricas por ELISA. A amostra foi constituída por 26 crianças e 31 adolescentes, a maioria do gênero feminino, heterezigoto para a mutação DF508 e insuficientes pancreáticos. Os adolescentes apresentaram maior gravidade da doença, infecção por Pseudomonas aeruginosa e falência ou risco nutricional. Foi observada nas crianças e adolescentes com FC concentração baixa de DHA nos eritrócitos antes da suplementação que aumentou durante a intervenção (p<0,05), enquanto as razões AGPI n-6:n-3 e AA:DHA reduziram (p<0,05). O consumo de EPA e DHA também aumentou (p<0,05) durante a intervenção e as recomendações destes AGPI-CL n-3 foram atingidas apenas nesta fase, demonstrando que esta resposta inflamatória, clínica e antropométrica com a suplementação do óleo de peixe.
Palavras-chave: Fibrose cística, ácidos graxos, eritrócitos, crianças, adolescentes, ensaio clínico controlado.

Título: EFETIVIDADE DO ACOMPANHAMENTO NUTRICIONAL DE JOVENS ATLETAS DE PENTATLO MODERNO
Autor: LETICIA AZEN ALVES COUTINHO
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: COUTINHO, L.A.A.
Data da Defesa: 11/07/2013
Resumo: O pentatlo moderno combina cinco modalidades esportivas: esgrima, natação, hipismo e evento combinado de tiro esportivo com corrida. Apesar da elevada demanda energética desse esporte, não existem estudos que possam dar suporte às recomendações nutricionais de seus praticantes. Objetivos: Caracterizar jovens atletas de pentatlo moderno quanto à composição corporal, aptidão cardiorrespiratória, perfil bioquímico e o consumo alimentar e de suplementos; e avaliar os efeitos do acompanhamento nutricional individualizado sobre o consumo alimentar e a composição corporal, durante seis meses. Métodos: Foram estudados 50 atletas, 22 do sexo feminino e 28 do sexo masculino, com média de idade de 16,0 ± 3,5 anos, peso 57,8 ± 16,3 kg; e estatura 1,6 ± 0,1 m, cujo consumo alimentar foi analisado por Recordatório de 24 horas, Registro Alimentar de Três Dias e Questionário de Frequência de Consumo Alimentar. A composição corporal foi estimada por técnicas antropométricas. Para a elaboração dos planos alimentares individualizados foram adotadas as recomendações generalizadas para atletas, respeitando-se o progressivo dispêndio energético semanal nos treinamentos. Resultados: No início do estudo os meninos consumiam menos energia do que o recomendado. Tanto meninas quanto meninos não atendiam as recomendações generalizadas para atletas, quanto à ingestão de carboidratos. Além disso, a ingestão de lipídios correspondeu à recomendação, em ambos os sexos, foram evidenciadas ingestões insuficientes de cálcio, frutas e vegetais, e observou-se o consumo frequente de refrigerantes. Ao final do estudo, a ingestão de cálcio e a contribuição dos lipídios em relação ao total de energia consumido foram aumentadas; os refrigerantes passaram a ser menos referidos como uma das bebidas mais frequentemente consumidas e houve maior frequência de ingestão de frutas e suco. Além disso, observou-se aumento da massa corporal magra, sem alteração da gordura corporal. Conclusões: Em geral os jovens atletas de pentatlo moderno apresentavam hábitos alimentares inadequados quanto à ingestão de carboidrato, energia e micronutrientes, especialmente de cálcio, demonstrando a relevância da implantação de uma rotina de acompanhamento nutricional. No entanto, este estudo demonstrou que o monitoramento do estado nutricional de jovens atletas do pentatlo moderno pode promover importantes mudanças qualitativas no consumo de alimentos, mesmo em curto espaço de tempo.
Palavras-chave: pentatlo moderno, adolescentes, consumo alimentar, composição corporal, nutrição.

Título: INATIVIDADE FÍSICA DE LAZER E SUA ASSOCIAÇÃO COM VARIÁVEIS DEMOGRÁFICAS E CONSUMO ALIMENTAR, ENTRE GÊNEROS, EM UMA POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA
Autor: SUZANA PATRICIA DE SA SILVA
Tipo de Trabalho de Conclusão: TESE
Abreviatura: SILVA, S. P. S.
Data da Defesa: 21/02/2013
Resumo: O presente trabalho teve como objetivos avaliar a associação dos indicadores demográficos, antropométricos, hábitos de vida, e ingestão alimentar com a prática de atividade física de lazer (AFL), entre gêneros, em população de baixa renda. Trata-se de um estudo transversal, de base populacional, realizado em Duque de Caxias, área metropolitana do Rio de Janeiro, Brasil, no ano de 2005. A coleta de dados constou de visita domiciliar em amostra de 1.246 adultos. Durante as visitas domiciliares, foram aplicados questionários para avaliar a prática de AFL, fatores demográficos, medidas antropométricos (peso, altura, perímetro de cintura), consumo alimentar de adultos na faixa etária entre 19 a 86 anos. As análises foram realizadas considerando como desfecho a inatividade física de lazer (indivíduos que responderam não praticar nenhum tipo de AFL). Os resultados do primeiro artigo revelaram que a inatividade física foi elevada, sendo os homens mais ativos que as mulheres. O estudo indicou também que os homens se engajavam mais em AFL competitivas e do universo masculino. Tomar conta de crianças foi um fator que aumentou a chance dos homens se engajarem em AFL, enquanto que entre as mulheres, aquelas que dispendiam menos tempo em atividades domésticas, não fumavam e que apresentavam maior acúmulo de gordura abdominal, tinham mais chance de praticarem AFL. No segundo artigo, utilizando modelo hierárquico, observou-se que a inatividade física de lazer entre os homens foi diretamente associada com o aumento do índice de massa corporal (IMC) e maior engajamento em atividades físicas domésticas (AFD), e inversamente associada entre os homens pretos e pardos. Entre as mulheres, houve associação da inatividade física de lazer com a maior escolaridade, menor IMC, hábito de fumar, maior prática de AFD e maior consumo de refrigerantes. No terceiro artigo, observou-se maior proporção de homens inativos, em comparação com mulheres, na faixa entre 30-49 anos de idade, com mais de 10 anos de estudo, com menor perímetro de cintura (PC), com sobrepeso, que não referiram ter compulsão alimentar, que não cuidavam de crianças, que não realizavam dietas e que consumiam até cinco porções ao dia de frutas e vegetais. Ao comparar as médias dos grupos de alimentos entre gêneros, observou-se diferença significativa apenas entre as mulheres, sendo aquelas consideradas inativas fisicamente com maior consumo de refrigerantes e açúcar. Conclui-se que: homens repetiram modelo de escolhas de AFL consideradas masculinas. Fatores sócio-demográficos e medidas antropométricas se associaram com AFL de forma diferente entre gêneros. As mulheres que praticavam menos atividades de lazer possuíam estilos de vida não saudáveis, ou seja, eram fumantes, ingeriam menos frutas e vegetais e consumiam mais refrigerantes.
Palavras-chave: Atividade física de lazer, gênero, hábitos de vida, estudos populacionais.